Ernesto Rodrigues/AE
Ernesto Rodrigues/AE

Muro em praça vira polêmica no Morumbi

Com 60 centímetros de altura, ele está sendo erguido ao longo da Avenida Giovanni Gronchi

Diego Zanchetta, O Estado de S.Paulo

23 Fevereiro 2011 | 00h00

A construção de um muro de 60 centímetros de altura ao redor da Praça Vinícius de Moraes, no Morumbi, na zona sul da capital, virou polêmica entre usuários.

Parte considera que a obra, realizada pela Subprefeitura do Butantã, descaracterizou a arquitetura da praça, a área de lazer mais frequentada do bairro. Outros avaliam que a estrutura de cimento diminui o risco de atropelamentos de quem anda na pista de caminhada ao lado da Avenida Giovanni Gronchi.

O caso parou na Promotoria de Habitação e Urbanismo. A Prefeitura tem dez dias para apresentar ao Ministério Público Estadual argumentos para justificar a construção. O que tem irritado até os que defendem o muro são as pilhas de entulho espalhadas pela grama.

"Esse muro é um horror. Ele acabou com a interação entre o verde e os pedestres. Fora que todo o entulho da obra está sendo amontoado no meio da praça", reclama a aeronauta Maria Cristina Guimarães, de 54 anos.

Ela afirma usar a praça para passear com seus cachorros há 15 anos e diz nunca ter visto um acidente com pedestre. "Em vez do muro, deveriam revitalizar a área do lago, que virou um brejo cheio de lixo. Sempre temos de socorrer os cachorros que afundam na lama", reclama. Outros usuários reclamam do entulho da obra espalhado no meio da praça.

Já para a pedagoga Elisabeth Barcik, de 53 anos, o muro "vai salvar vidas". Ela diz já ter testemunhado um atropelamento de pedestre na calçada cercada no fim do ano passado. "Na hora do engarrafamento na Giovanni Gronchi, carros invadem a calçada da pista de caminhada. E não acho impacto visual tão grave.

Movimento. Inaugurada nos anos 1960 e localizada de frente para mansões, a praça é bem arborizada e fica lotada na maior parte do dia. São jovens skatistas e de patins, adultos praticantes de cooper, mulheres com cachorros. Quase todos são moradores do Morumbi.

O muro foi erguido em toda a extensão da praça ao longo da Giovanni Gronchi. A obra começou em outubro e tinha prazo de 60 dias para terminar. Ontem, porém, a reportagem flagrou funcionários da Subprefeitura do Butantã alterando a data de início e o prazo para a conclusão na placa da obra na praça.

Proteção. Em nota oficial, a Prefeitura informou que os muros de contenção têm como objetivo proteger os pedestres. "Serão colocadas unhas de gato (espécie de trepadeira) no muro, deixando-o visualmente menos pesado", informou.

A Companhia de Engenharia de Tráfego disse já existir um radar fixo nos dois sentidos da Giovanni Gronchi para controlar velocidade.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.