Mundo Urbano

''Querida, a prefeitura vai encolher a cidade''

, O Estado de S.Paulo

07 de agosto de 2011 | 00h00

Enquanto cidades como Moscou querem expandir seus limites, outras pensam exatamente o contrário. Detroit, o coração da indústria automobilística americana, lançou um polêmico plano para "encolher" de tamanho e reverter a decadência de uma parte da cidade.

Filmes como Gran Torino, de Clint Eastwood, ou Roger & Me, de Michael Moore, mostram o quanto Detroit e sua área de influência sofrem com a decadência das montadoras. A falta de empregos deixou um rastro de imóveis abandonados e bairros empobrecidos.

Para resolver o problema, a prefeitura quer concentrar os gastos públicos nas regiões consideradas "saudáveis" por um estudo recém-concluído. Nas áreas decadentes, o poder público demoliria casas vazias e - o principal e mais controverso - reduziria serviços como coleta e varrição de lixo.

Com o tempo, a população deixaria esses bairros em direção às regiões mais bem atendidas. Até agora, porém, as críticas têm feito tanto barulho quanto um dos muscle cars que Detroit cansou de fabricar.

FÉRIAS DISTANTES

Os parques temáticos conquistam a China

A última fronteira para os parques temáticos não podia ser outra: a Ásia continental, em especial a China e seus cerca de 222 milhões de crianças e jovens de até 14 anos.

Hong Kong já tem sua Disneylândia desde 2005, mas o parque já não dá conta da demanda e as filas são proporcionais ao gigantismo chinês. Por isso, uma nova unidade em Xangai vai ser construída até 2015 em uma área 50% maior que a antecessora. Não muito longe da nova casa de Mickey Mouse e sua turma, um grupo japonês fará um parque da Hello Kitty, com abertura prevista em 2014.

Fora da China, a Coreia do Sul terá em 2014 o maior parque temático da Universal Studios no mundo, um ano depois de ser inaugurada na Malásia uma filial da dinamarquesa Legolândia. Não estranhe, portanto, se oferecem um pacote de férias com a família para destinos bem mais distantes que Miami.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.