Mundo Urbano

Em 20 anos, Moscou quer crescer uma São Paulo

, O Estado de S.Paulo

31 Julho 2011 | 00h00

Pelas leis da física, a proposta faz sentido, mas é de deixar os urbanistas de cabelos em pé. O governo da Rússia decidiu combater os problemas de trânsito e de adensamento de Moscou expandindo a cidade dos atuais 1 mil km² para 2,5 mil km².

Os russos querem urbanizar em 20 anos uma área do tamanho de São Paulo, no sul e no sudoeste do atual desenho de Moscou. Para essa região coberta por mata nativa, casas de veraneio e pequenos bairros, vão ser transferidos escritórios privados e do poder público que hoje estão no centro da cidade.

Além do orçamento ainda não definido para tamanha transformação e para criar uma nova rede de transportes, uma questão em aberto é o destino de cerca de 250 mil pessoas que devem ser removidas da área a ser adensada - um contingente quase tão grande quanto o crescimento anual da população moscovita.

O governo russo acredita que uma cidade menos congestionada atrairia mais investimentos estrangeiros e ajudaria Moscou a se tornar um centro financeiro mundial. Pelo jeito, eles estão dispostos a pagar para ver.

ÁRVORES EM ALTA

Não é qualquer verde que reduz a poluição

Quem mora em uma cidade poluída sente na pele - e no nariz - a diferença que faz viver em áreas bem arborizadas. Mas nunca é demais ter argumentos científicos para defender mais verde pelas ruas.

Uma pesquisa da Universidade de Kent (Inglaterra) mostrou que aumentar em 10% a cobertura de árvores de uma cidade de médio porte absorve até 12% das emissões de dióxido de carbono, o gás do efeito estufa. Os cálculos foram feitos na área metropolitana de Leicester, onde vivem 770 mil pessoas.

Os cientistas deixam claro que estão falando de árvores, não de gramados ou pequenos arbustos, como os usados em acordos de compensação ambiental. Do volume de gás carbônico absorvido pelas plantas, as copas das árvores responderam por 94%.

BELA E FERA

"Uma centena de vezes achei Nova York uma catástrofe. Em 50 vezes, achei que é uma bela catástrofe."

Le Corbusier (1887-1965)

ARQUITETO FRANCÊS NASCIDO NA SUÍÇA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.