Multas em faixa de ônibus quintuplicam

Nos primeiros sete meses deste ano, foram aplicadas 104.937 autuações por invasão à área dos coletivos, ante 20.257 no mesmo período de 2012

ARTUR RODRIGUES , ANA VINHAS, O Estado de S.Paulo

19 de agosto de 2013 | 02h08

No ano em que as maiores avenidas da cidade de São Paulo passaram a ter faixas exclusivas de ônibus, o número de multas a motoristas que invadiram a área dos coletivos quintuplicou. De janeiro a julho deste ano, foram aplicadas 104.937 multas por invasão às faixas de ônibus. No mesmo período de 2012, foram 20.257 autuações - variação de 418%.

O valor da multa por transitar em faixa exclusiva à direita é de R$ 53,20 e implica em três pontos na Carteira Nacional de Habilitação (CNH).

Na Marginal do Tietê, as multas começaram no dia 24 de junho. Até 31 de julho, foram 5.389 multas por invasão à faixa, uma média de 141 por dia. Para flagrar os infratores, agentes da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) ficam posicionados em sete pontos de manhã e em seis à tarde.

Em 22 de junho, começaram as multas para quem invadisse as faixas exclusivas na Marginal do Pinheiros e nas Avenidas Paulista e Doutor Arnaldo. Em três trechos onde foram implementadas as faixas na marginal, foram 3.887 multas até o dia 14 deste mês. A via tem três agentes de manhã e três à tarde para fazer a fiscalização.

No mesmo período, na Avenida Paulista, foram 2.206 autuações. Na Doutor Arnaldo, foram 814 multas. Nas duas vias, durante todo o dia sempre há cinco agentes para autuar os motoristas.

Além do aumento das multas nas faixas, houve ligeiro acréscimo nas autuações por invasão aos corredores. Foram 171.255 multas de janeiro a julho, contra 168.352 no mesmo período do ano passado. O aumento foi de 1,7%.

Dentre os mais de 60 quilômetros de faixas exclusivas criadas neste ano, em alguns a aplicação de multas ainda não começou. O principal é o Corredor Norte-Sul. A partir do dia 26, quem invadir o espaço dos ônibus entre a Praça Campo de Bagatelle, na zona norte, e a Avenida Jangadeiro, na zona sul, passará a ser autuado.

Aposta. Após os protestos de junho, com cobranças por melhoria na mobilidade urbana que abalaram a imagem do prefeito Fernando Haddad (PT), a criação de faixas para ônibus passou a ser sua principal aposta. Até o fim deste ano, a Prefeitura quer entregar 220 km de faixas exclusivas à direita. Além disso, no fim do mês passado, a Prefeitura abriu consulta pública para a licitação de 127 km de corredores de ônibus, com custo estimado de R$ 4,4 bilhões.

Para realizar as obras, o Município vai usar R$ 3 bilhões dos R$8 bilhões do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) anunciados pela presidente Dilma Rousseff (PT).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.