Tiago Queiroz/Estadão
Tiago Queiroz/Estadão

Mulheres protestam contra assédio sexual no metrô em SP

Manifestantes pedem mais seguranças mulheres no Metrô e uma delegacia especializada em uma das estações na região central

Isabela Palhares, O Estado de S. Paulo

05 de outubro de 2015 | 19h25

Atualizado às 22h25

Um grupo de mulheres realizou um protesto contra o abuso sexual na Companhia do Metropolitano (Metrô), na capital paulista, no início da noite desta segunda-feira, 5. Por volta das 18h, cerca de 250 mulheres, segundo as organizadoras do evento, se reúniram na Estação Barra Funda, da linha 3-Vermelha, com faixas, cartazes e alto-falantes contra os assédios. 

As manifestantes cobraram a responsabilidade do Metrô pela segurança das passageiras e questionaram a companhia sobre as medidas preventivas e cuidados que está tomando. Elas também pediram mais seguranças mulheres treinadas para lidar com casos de violência e a instalação de uma delegacia especializada da mulher em uma estação do Metrô na região central.

O Estado mostrou que, a cada dois dias, uma mulher registra um boletim de ocorrência por assédio no Metrô e na Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM). Dois em cada três casos (69%) aconteceram nos horários de pico. Apesar do aumento de 53% dos casos, em relação ao mesmo período do ano passado, os números podem até ser menores que a realidade, pois muitas não denunciam o assédio.

Segundo o Metrô, dos 1.200 seguranças, 156 são mulheres, o que é “mais do que suficiente”, segundo a companhia, que assegura haver pelo menos uma mulher em cada estação.

O Metrô também informou que, desde o ano passado, "vem realizando campanhas de conscientização e cidadania, como também o treinamento de funcionários operacionais, para que estejam preparados para coibir os crimes de abuso sexual e amparar as vítimas".

Segundo a empresa, o número de manifestações pelo SMS Denúncia do Metrô passou de 10 casos em 2013 para 61 em 2014 e 87 em 2015 (de janeiro a setembro). A cada 10 denúncias, oito abusadores são detidos pelos agentes de segurança do Metrô e encaminhados para a Delegacia do Metropolitano (Delpom), diz o Metrô.

Protesto. Essa é a segunda manifestação contra abuso sexual no Metrô organizada por coletivos feministas. Em 31 de agosto, o grupo se reuniu na Estação República, na Linha 3 - Vermelha, onde uma funcionária foi estuprada, em abril deste ano.


Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.