Fabio Motta/Estadão
Fabio Motta/Estadão

Mulheres levam às redes sociais denúncias de agressão no interior

Para delegada de Delegacia de Defesa da Mulher, atitude é corajosa e contribui para dar visibilidade ao problema

José Maria Tomazela, O Estado de S.Paulo

25 Novembro 2017 | 05h00

SOROCABA - Mulheres agredidas por ex ou atuais companheiros estão preferindo se expor em redes sociais a ficarem caladas. Dois casos recentes tiveram grande repercussão no interior de São Paulo. 

+++ Mulher posta fotos de irmã agredida pelo ex-namorado em Itapetininga

No dia 14, a vendedora Carla Regina Januário, de 29 anos, postou fotos do próprio rosto inchado para dar um “basta” às agressões do ex-namorado, em Votuporanga. Nesta segunda-feira foi a irmã da cabeleireira Mariana Lima dos Santos, de 25 anos, quem tomou a iniciativa de expor no Facebook o rosto dela com o olho roxo, após ser agredida pelo ex. Encorajada, Mariana repetiu a postagem em sua página na rede social.

+++ Jovem agredida pelo namorado publica fotos do rosto inchado em rede social

Para a titular da Delegacia de Defesa da Mulher (DDM) de Itapetininga, Leila Tardelli, a exposição é uma atitude corajosa e contribui para dar visibilidade ao problema. “A gente lida com muitos casos, até mais graves que este, envolvendo até violência sexual. Observo que o registro desse tipo de violência tem aumentado e quero acreditar que é porque as mulheres estão denunciando mais. Com o uso da rede social, a questão acaba ganhando mais visibilidade.” 

+++ Escrivã da Polícia Civil é assassinada dentro de casa em Sorocaba

Ela lembra que a maioria das vítimas prefere não se expor, pelo risco de ser vitimizada pela segunda vez. “Às vezes a mulher se sente tão desprotegida que acaba recorrendo a esse meio em busca de apoio.”

Foi o que aconteceu com Mariana. Cercada pelo ex-namorado quando levava uma amiga pela praça, ela foi ameaçada e agredida com violência. A irmã Thais Cristina dos Santos, de 23 anos, a levou a uma unidade médica e, em seguida, para o plantão da Polícia Civil. “Os policiais estavam ocupados com um flagrante e falaram para irmos na Delegacia da Mulher no dia seguinte. Eu não consegui me conter, fiz as fotos e postei.” 

Mariana se encorajou e também desabafou em sua página. “Meu Deus, que dor. Não são os hematomas, mas a dor da alma.” A Justiça deferiu medida protetiva contra o agressor. O pedido de prisão não foi aceito.

Em Valentim Gentil, onde Carla passou a morar depois de apanhar do ex, ela conta que também passou a andar com a medida protetiva dada pela Justiça. “Levo (o documento) para cima e para baixo, mas ainda tenho receio. Ele vai ser chamado e o juiz vai decidir. Por mais que eu goste, tenho de pensar em mim.” Ela voltava de uma pizzaria com o namorado - já estavam morando juntos - quando, em uma discussão banal, ele passou a agredi-la. Carla desceu do carro e pediu ajuda.

A Polícia Militar localizou o rapaz e levou ao plantão da Polícia Civil. O agressor recebeu voz de prisão por lesões corporais e ameaça, mas pagou fiança de 1 salário mínimo e foi solto. “Fiquei revoltada e postei, não só pelo meu caso, mas para encorajar outras mulheres que são agredidas como eu fui”, disse Carla. A postagem teve 4,7 mil visualizações. 

A reportagem entrou em contato com o acusado de agressão a Carla, mas o rapaz alegou que foi orientado pelo seu advogado a não se manifestar. Também foi procurado o agressor de Mariana, mas, segundo a Polícia Civil, ele está foragido.

 

Denúncia

A delegada Ana Luiza Salomone, da DDM de Sorocaba, alerta que é preciso sempre fazer a denúncia formal para que o crime possa ser investigado e o agressor, punido. “As fotos e a publicação em rede social podem ser usadas como prova, mas é preciso procurar a polícia para que seja requisitado o exame de corpo de delito e, se for o caso, pedida a medida protetiva. Sem essas providências, o agressor não será punido e a vítima pode ficar ainda mais exposta.” Segundo ela, a medida de proteção é deferida quando se vê risco iminente à vida ou à integridade física.

Depoimento 

Mariana Lima dos Santos, cabeleireira

‘Todo mundo olhava, mas aquilo só meu deu mais força’

Fui com medo na delegacia, tive de fazer corpo de delito. No hospital, a cada Raio X, todo mundo me olhava, mas aquilo só meu deu mais força. Sou uma mulher vaidosa, olho no espelho e vejo a crueldade que ele fez. O homem te espanca e se faz de vítima, diz: 'Ela bateu primeiro, só me defendi'. Isso tem de acabar, ele tem de pagar pelo que fez.” 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.