Mulheres já são 72% do funcionalismo

Perfil feito pela Secretaria de Planejamento de SP mostra que maioria dos servidores tem entre 40 e 60 anos e ensino superior completo

ARTUR RODRIGUES, O Estado de S.Paulo

08 Outubro 2012 | 08h44

Mulher, mais de 40 anos, com ensino superior. Esse é o perfil da maioria dos funcionários públicos municipais de São Paulo. Os dados estão em um estudo inédito feito pela Secretaria Municipal de Planejamento, Orçamento e Gestão (Sempla) sobre os cerca de 140 mil funcionários públicos municipais diretos.

Desde 2009, quando teve início a pesquisa, o número de funcionários caiu ligeiramente, passando de 140.407, em 2009, para 139.178 em 2011 - e 72% são mulheres. Nesse período, foram realizados 10 concursos públicos.

Com 30 anos de serviço público, a pedagoga Cibele Araújo Racy, de 52 anos, tem o perfil da maioria do quadro de servidores. Com 30 anos de serviço público, ela é formada em Pedagogia e atua como diretora da Escola Municipal Infantil (Emei) Guia Lopes, no Limão, zona norte da capital.

Ela diz que já teve experiência no setor privado, mas optou por trabalhar no serviço municipal. "Achei que trabalhando com essas crianças poderia fazer a diferença", diz ela. Os funcionários da Secretaria Municipal de Educação são os responsáveis por puxar para cima a média de escolarização entre os servidores. Segundo a pesquisa, 76,7% de seus 84.442 funcionários têm ensino superior - grau mínimo exigido para atuar como professor. A média municipal de pessoas com esse nível é de 62%.

As 31 subprefeituras têm o menor índice de pessoal com alto grau de escolarização, 2.714 (31,5%). Nesse setor, o número de funcionários que não têm sequer o ensino fundamental completo chega a 28,6%, com 2.466 pessoas. Outros 1.200 (13%) apresentam só o ensino fundamental completo. Segundo a secretaria, os funcionários com menos escolaridade, geralmente, atuam na zeladoria da cidade, limpando bueiros, aparando mato em canteiros, entre outros serviços gerais.

Carreira. Para o secretário de Assuntos Jurídicos do Sindicato dos Trabalhadores na Administração Pública e Autarquias (Sindsep), João Batista Gomes, já se foi o tempo que a estabilidade seduzia os funcionários. "Vários servidores de nível médio fazem faculdade e a Prefeitura não reconhece isso financeiramente. Sem um plano de carreira decente, muitos deixam o serviço público", diz. Desde 2009, 39.182 pessoas entraram e 31.884 saíram.

Segundo Gomes, outro problema é que há grande número de funcionários que perderam lugar para terceirizados. "Eles terceirizam o motorista e colocam essa pessoa para fazer uma função que não é a dela", diz.

Do total de servidores, pelo menos 11.134 (11%) estão perto da aposentadoria nos próximos anos, uma vez que contam com mais de 60 anos. A maioria dos funcionários, 85.935 (62%), porém, está entre 40 e 60 anos.

O Estado pediu entrevista com o responsável pela pesquisa, mas a Sempla informou que a coordenadora não poderia falar sobre o estudo na sexta-feira. Em nota, a assessoria de imprensa informou que os dados foram extraídos do Sistema Integrado de Gestão de Pessoas e Competências (SIGPEC), com base no mês de abril de 2012.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.