Werther Santana/Estadão
Werther Santana/Estadão

Mulher morre após ser arrastada por carro na zona norte de SP

Jéssica da Silva, de 22 anos, foi atingida quando atravessava faixa de pedestre no começo da madrugada; ocupantes do veículo, que estariam participando de racha, fugiram

Renato Vieira e Luciano Bottini Filho, O Estado de S. Paulo

20 Novembro 2013 | 09h14

Atualizado às 15h34.

SÃO PAULO - Uma mulher morreu atropelada no início da madrugada desta quarta-feira, 20, na Ponte do Piqueri, na zona norte de São Paulo. Jéssica Bueno da Silva, de 22 anos, ia em direção a ponto de ônibus por volta de 0h, quando foi atingida por um veículo da marca Fiat Stilo na faixa de pedestres da Avenida General Edgar Facó. Com o impacto, ela se chocou com o vidro do carro, que ainda avançou por 200 metros, de acordo com a polícia.

O veículo foi abandonado na ponte. Os três ocupantes fugiram sem prestar socorro. Segundo a Polícia Civil, testemunhas disseram que Jéssica atravessou a via na faixa de pedestres. O carro teria vindo em alta velocidade, ignorando o semáforo vermelho. Uma faixa do sentido centro ficou interditada até 6h30, para trabalho da perícia.

Há a suspeita de que o carro que atingiu Jéssica estivesse envolvido em um racha com outros dois veículos antes do acidente. A polícia diz que as investigações só terão início nesta quinta-feira, 21, devido ao feriado desta quarta-feira.

Familiares da vítima reclamaram no Instituto Médico-Legal (IML) central da capital que a Polícia Civil não deu informações sobre os condutores do veículo. Rose Rodrigues, prima de Jéssica, afirmou que ela estava acompanhada por cinco pessoas, entre elas o namorado. O grupo se dirigia a uma casa noturna. Segundo os familiares, os colegas nem perceberam a batida. "A Jéssica sumiu", teriam dito. "Eles (os carros) vinham em alta velocidade. Um desviou, outro parou e o terceiro bateu nela", contou Rose.

Segundo testemunhas, o carro pode ter avançado muito mais que 200 metros, já que os amigos não enxergavam o veículo do local em que houve a colisão. No começo, eles pensavam que a vítima havia sido sequestrada, de tão rápido que o veículo passou.

Jéssica tinha uma filha de 4 anos e iria começar em um novo emprego. Seu corpo se encontra no IML. O caso foi registrado como homicídio culposo, sem intenção de matar. O carro foi levado para vistoria.

 

Mais conteúdo sobre:
AtropelamentoSão Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.