Lucy Nicholson / Reuters
Lucy Nicholson / Reuters

Mulher mata marido com facada e alega legítima defesa em Taquaritinga 

A jovem chegou a ser presa e autuada em flagrante por homicídio doloso, mas foi liberada em audiência de custódia para responder em liberdade

José Maria Tomazela, O Estado de S.Paulo

07 de março de 2019 | 01h02

SOROCABA – Uma mulher de 25 anos matou o marido com um golpe de faca, após chegarem de uma festa de carnaval, na madrugada desta quarta-feira, 6, em Taquaritinga, interior de São Paulo. A mulher, que não teve o nome divulgado, alegou legítima defesa, pois o homem, Marcelo Augusto da Silva, de 37 anos, ameaçava agredi-la, como havia feito anteriormente. A jovem chegou a ser presa e autuada em flagrante por homicídio doloso, mas foi liberada em audiência de custódia para responder pelo crime em liberdade.

O crime aconteceu na residência do casal, na Rua 31, Vila São Sebastião, periferia da cidade. Conforme o relato da mulher, assim que chegaram em casa, os dois iniciaram uma discussão motivada por ciúmes. Marcelo teria avançado contra ela, que pegou uma faca de cozinha e o atingiu no tórax. A própria agressora acionou a Polícia Militar. O homem, encontrado caído no chão da sala, recebeu os primeiros socorros do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) e foi levado para uma Unidade de Pronto-Atendimento, mas não resistiu. A mulher foi levada para o plantão da Polícia Civil e ficou presa. A faca usada no crime foi recolhida para perícia.

Em audiência de custódia realizada à tarde, no fórum da cidade, o juiz Clovis Humberto Lourenço Junior levou em conta que a mulher já havia sofrido agressões anteriores por parte da vítima e viu indícios de homicídio não intencional, o que será apurado durante o inquérito. A jovem, que possui quatro filhos de outros relacionamentos e convivia com Marcelo há nove meses, foi liberada para responder ao processo em liberdade. O representante do Ministério Público Estadual informou que vai recorrer para que a agressora seja mantida presa.

Em Sumaré, também no interior, a dona de casa Cláudia Aragão, de 44 anos, foi morta a facadas pelo marido em casa, num condomínio residencial da avenida Fuad Assef Maluf, no Jardim Bela Vista. Os vizinhos ouviram os gritos da vítima e chamaram a Polícia Militar. A equipe do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) constatou que a mulher já estava morta. O suspeito, José Jair Justino, de 58 anos, foi preso e autuado em flagrante no 2.o Distrito Policial. Ele vai responder por feminicídio. Até o início da noite, não havia informação sobre a causa do assassinato.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.