Mulher furta 9 estandes de joia no Frei Caneca e é presa

Neusa Maria de Menezes, de 52 anos, é de Ribeirão Preto e levou menos de 1h para efetuar ação; ela se passava por cliente

WILLIAM CARDOSO, O Estado de S.Paulo

06 Março 2012 | 03h03

Uma desempregada de Ribeirão Preto furtou, na manhã de ontem, nove estandes em uma feira de semijoias no Shopping Frei Caneca, na Bela Vista, região central de São Paulo. Neusa Maria de Menezes, de 52 anos, gastou menos de uma hora para levar os acessórios, até ser flagrada pela funcionária de uma das bancas, que chamou a polícia.

O delegado responsável pelo caso, Cícero Simão da Costa, da Delegacia Especializada de Atendimento ao Turista (Deatur), disse que Neusa foi bastante discreta durante toda a ação. "As oito primeiras vítimas não perceberam o furto. Ela foi muito habilidosa. Chegou como cliente, colocou as bijuterias em duas bolsas grandes e fugiu, até que chamou a atenção, quando já estava no quinto andar do shopping, no último estande furtado." Não foram divulgados o valor das peças nem a quantidade furtada.

O perfil de Neusa colaborou para que ela conseguisse enganar as vendedoras sem chamar a atenção. "Ela passa despercebida, por já ser uma senhora. Em um primeiro momento, deixa a impressão de segurança, tem o aspecto de boa pessoa."

Segundo a polícia, Neusa foi indiciada há cerca de dez anos por furto em um supermercado da capital, mas acabou absolvida pela Justiça. O delegado afirmou que, ao ser detida ontem, ela confessou o crime e disse apenas que furtou as joias para revendê-las em sua cidade, no interior do Estado.

O delegado ainda ouvia testemunhas e vítimas no início da noite de ontem. Também não foi arbitrada fiança e Neusa passaria a noite detida - ela tentava contato com parentes e amigos.

Para o delegado Osvaldo Nico Gonçalves, também da Deatur, a forma como Neusa agiu foi surpreendente. "Nunca vi alguém fazer tantas vítimas em tão pouco tempo."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.