Mulher foge de cativeiro e Polícia prende três em Itaim Paulista

Não houve pedido de resgate; vítima pode ter sofrido estupro, segundo policial

Bruno Lupion e Ricardo Valota, do estadão.com.br

23 Março 2010 | 03h51

Uma mulher de 31 anos, comerciária, conseguiu fugir, às 21 horas desta segunda-feira, 22, do cativeiro onde era mantida refém desde a noite de domingo, 21, em Itaim Paulista, zona leste da capital. Ela correu até sua casa e pediu ajuda de uma amiga, que chamou a polícia.

A vítima havia sido dominada no domingo por um homem de cerca de 50 anos, enquanto caminhava pela Rua Manoel Bueno da Fonseca, e levada para uma garagem de ônibus desativada. Lá, foi imobilizada com fita adesiva, obrigada a consumir cocaína e despida, sob vigilância de duas mulheres.

"Num determinado momento, ao acordar, ela se viu seminua. Há indício de que houve estupro", afirmou o cabo Reginaldo, do 50º DP, que atendeu a ocorrência. A vítima escapou após o homem deixar o cativeiro por alguns minutos.

'Cracolândia do Itaim Paulista'

Ao chegar ao local, os policiais encontraram 12 pessoas, sete homens e cinco mulheres, entre as quais duas adolescentes, uma de 14 e outra de 17 anos. Todos seriam usuários de crack e foram levados pela delegacia, onde a vítima reconheceu o homem e as duas mulheres que a teriam sequestrado.

"Este terreno se tornou a cracolândia do Itaim Paulista", afirmou o sargento Campache. "Já pedimos várias vezes que as edificações abandonadas sejam demolidas, sem sucesso. Os proprietários fecham o terreno com grades, que logo depois são destruídas. As ocorrências naquele local são frequentes", disse.

O homem e as duas mulheres não haviam sido identificados até às 5 horas desta terça-feira e estão presos no 50º DP. Segundo a Polícia Militar, as duas adolescentes que estavam no terreno, mas que não participaram do crime, serão encaminhadas para a Fundação Casa. A vítima realizará exames no hospital Pérola Byington para detectar se foi estuprada.

Mais conteúdo sobre:
sequestro itaim paulista crime

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.