Mulher faz protesto silencioso em frente à casa dos Nardoni

Manifestatante pede que pai e madrasta de Isabella concedam entrevista para a imprensa

Andressa Zanandrea, Jornal da Tarde

15 de abril de 2008 | 09h43

Na madrugada desta terça-feira, uma mulher foi até a rua onde mora o advogado Antônio Nardoni, pai de Alexandre Nardoni, para fazer um protesto silencioso contra a morte da menina Isabella de Oliveira Nardoni, ocorrida no dia 29 de março. Munida de três cartazes e acompanhada pela filha de 15 anos e pelo filho de 16, a radiestesista Nádia Olesogs Massari, de 49 anos, chegou à frente da casa, no Tucuruvi, zona norte da capital.   VEJA TAMBÉM Depoimentos revelam pânico após a morte de Isabella Para IC, pegada é compatível com calçado de madrasta   "Estou acompanhando a história desde o início. Vejo todas as reportagens e não me conformo. Senti que devia fazer alguma coisa, com perguntas que eu gostaria que fossem respondidas. Exijo uma resposta para isso (o caso) e que descubram logo", disse ela, que teve a intenção de representar a população.   Nádia saiu de casa, no Planalto Paulista, na zona sul, com dois dos três filhos e escolheu a madrugada por ser um horário mais sossegado. "Eu vinha sozinha, mas eles também quiseram vir, pois também estão inconformados." Os cartazes, feitos em cartolina e caneta hidrográfica, trazem questionamentos sobre o caso. Em um deles, pergunta: "Alexandre e madrasta: são inocentes? Então enfrentem as perguntas de algum repórter de qualquer emissora de televisão! Vocês têm medo? Do quê? Por que se esconder e tanta proteção para a família viva?"   Em outro, há as seguintes frases: "A pequena Isabella morreu! Partiu para o plano espiritual. Agora a família 'viva' composta de advogados fará tudo para provar inocência dos que ficaram. Quem calou a boca de um confiável delegado?" No terceiro: "Pelas declarações feitas, o terceiro elemento teve quatro minutos para espancar, fraturar o pulso do 'anjo', procurar faca, depois tesoura, arremessou o 'anjo' pela janela de outro quarto, guardou os utensílios no lugar, trancou a porta e saiu tranqüilamente. Um enigma: quem usava blusa preta?"   Nádia pede que Alexandre Nardoni e Anna Carolina Jatobá, pai e madrasta de Isabella, concedam uma entrevista para esclarecer detalhes sobre o dia do crime. "A população está esperando por isso.

Tudo o que sabemos sobre:
Caso Isabella

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.