Reprodução/Google Street View
Reprodução/Google Street View

Mulher é detida por agressão e ataques racistas e homofóbicos em padaria da Pompeia

Suspeita teria insultado e batido em funcionários e clientes que tentavam defendê-los

Fabiana Cambricoli, O Estado de S.Paulo

22 de novembro de 2020 | 22h51

SÃO PAULO - Uma mulher foi detida pela Polícia Militar na noite de sexta-feira, 20, por agressão, injúria racial e homofobia contra funcionários e clientes da padaria Dona Deôla, na Pompeia, zona oeste de São Paulo.

De acordo com comunicado divulgado pelo estabelecimento no Instagram, a mulher insultou e agrediu funcionários e clientes que se mobilizaram para defendê-los. Vídeo divulgado pela GloboNews e pelo G1 mostra a mulher questionando se aquela "era uma padaria gay" e dando tapas em um cliente. Ela teria dito ainda, segundo a emissora, que "odeia veados".

Segundo a padaria, como os funcionários não podem tomar nenhuma medida que envolva contato físico com os clientes, eles chamaram a polícia, que prendeu a agressora em flagrante.

Os funcionários e clientes agredidos prestaram depoimento. A Dona Deôla diz ter se colocado à disposição das autoridades, se comprometendo a disponibilizar as imagens das câmeras de segurança do local.

A empresa disse ainda que estar em contato com as vítimas "para oferecer todo suporte na tomada das medidas legais cabíveis". Por fim, a padaria disse repudiar qualquer ato de discriminação e reiterou "seu compromisso com a proteção e o bem estar dos seus funcionários e clientes".

A reportagem não conseguiu contato com a mulher autora das agressões. Ao G1, ela afirmou que "foi provocada" por dois clientes, admitiu que foi agressiva, mas pediu desculpas e disse que "não teve a intenção" de ofender ninguém. Afirmou ainda "não ter nada contra homossexuais".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.