Mulher é chantageada ao ter foto dela nua roubada

Após copiar e-mail da empresa, ex-colega da advogada cobrou R$ 20 mil para não distribuir imagens

ARTUR RODRIGUES, O Estado de S.Paulo

05 de maio de 2012 | 03h05

Um ex-funcionário da área de tecnologia da informação de uma empresa da capital acabou preso depois de chantagear uma advogada de 34 anos, ameaçando divulgar fotos nuas dela. O chantagista chegou a cobrar R$ 20 mil da vítima.

Segundo a Polícia Civil, André Silveira Borges, de 31 anos, interceptou um e-mail particular da advogada, endereçado ao marido dela. A mensagem continha uma série de fotos da vítima nua. "Ele tinha todos os contatos dela e ameaçava mandar as fotos para eles", afirmou o delegado Osvaldo Nico Gonçalves, da Delegacia de Atendimento ao Turista (Deatur).

De acordo com o delegado, a vítima procurou um dos policiais da delegacia, denunciando a chantagem. Os investigadores passaram, então, a acompanhar as negociações dela com Borges, todas feitas por e-mail. Após 20 dias de conversa, segundo Nico, o rapaz aceitou receber R$ 16 mil da vítima para desistir da ideia de divulgar as imagens pessoais.

O homem afirmou à vítima que mandaria um motoboy para receber o dinheiro na tarde de ontem, na sede da empresa, na Avenida Pacaembu, na zona oeste da capital. "Fomos com motos, preparados para seguir o motoboy. Mas, quando os policiais viram quem foi recolher o dinheiro, de óculos e boné, meio disfarçado, abordamos ele e a vítima o reconheceu como sendo um ex-funcionário da empresa", disse Nico.

Borges foi preso em flagrante e deve responder por extorsão. O crime é punido com 4 a 10 anos de prisão. A vítima da chantagem não quis falar com a imprensa.

Confissão. O rapaz havia sido demitido da empresa no ano passado, mas afirma que pegou as fotos só em abril, com a ajuda de outro funcionário. "Minha avó estava internada e eu precisava de dinheiro. Fiz besteira", afirmou o rapaz. Borges diz que aprendeu a praticar a extorsão vendo outras chantagens na internet. "Nunca havia feito nada parecido, mas agora minha vida acabou."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.