Ari Ferreira/AFP
Ari Ferreira/AFP

Mulher conversou com atirador minutos antes da chacina na Catedral de Campinas

A testemunha foi identificada e deve depor na terça, 18; mulher trabalha em um camelódromo e já teria prestado serviços ao atirador

José Maria Tomazela, O Estado de S.Paulo

17 Dezembro 2018 | 20h43

SOROCABA - Uma mulher conversou com o atirador minutos antes da chacina que deixou seis pessoas mortas, no último terça-feira,  11, na Catedral de Campinas, interior de São Paulo. Euler Fernando Grandolpho, de 49 anos, atirou contra as vítimas e depois se matou. Entre 10 e 15 minutos antes, o homem se deteve nas proximidades da Catedral e falou com a mulher. A Polícia Civil quer, agora, saber o teor da conversa.

A possível testemunha já foi identificada e deve depor nesta terça, 18. Segundo o delegado Hamilton Caviolla Filho, do 1.º Distrito Policial de Campinas, a mulher trabalha em um camelódromo próximo da Catedral e já teria prestado serviços ao atirador.

A investigação encontrou um cartão dela na mochila que Euler carregava no dia do crime. "Estamos tentando entender a motivação dele, por isso queremos saber o teor da conversa, se em algum momento ele deu pistas do que faria", disse o delegado. Também será apurada a relação da mulher com Grandolpho.

     

Parentes.

Embora as investigações estejam concentradas no 1.º DP, o pai e a irmã mais velha do atirador foram ouvidos nesta segunda-feira, 17, no 5.º Distrito Policial, no Jardim Amazonas. A mudança no local foi feita a pedido do advogado da família para preservar os parentes do atirador.

O pai confirmou que Euler estava depressivo e que havia sido sugerido tratamento, mas o filho sempre se esquivava das abordagens. Segundo o delegado, o depoimento dos parentes corroborou a mudança no comportamento de Grandolpho após a morte da mãe.

A investigação apura também se Grandolpho recebeu as armas como pagamento pela venda de uma moto. Ele usou um revólver calibre 38 e uma pistola 9 mm no ataque. A suspeita é de que ele teria trocado o veículo pelas armas em 2014. A polícia já identificou o atual proprietário da moto e ele ainda será ouvido.

Missa.

Nesta segunda-feira, 17, foi realizada a missa de sétimo dia em homenagem às vítimas do atentado. O ofício, concelebrado por padres de várias paróquias da cidade, reuniu sobreviventes da tragédia e parentes dos mortos.

As vítimas, Sidnei Vitor Monteiro, de 39 anos, José Eudes Ferreira, de 68, Cristofer Gonçalves, de 38, Elpídio Coutinho, de 67, e Heleno Severo Alves, de 84, foram citadas durante as preces. Um dos oficiantes pediu às famílias que se esforçassem para perdoar, no plano espiritual, o atirador. Os dois policiais que intervieram diretamente para conter Grandolpho também foram homenageados.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.