Mulher confessa, durante culto, ter assassinado a filha

Em Osasco, filho mata pai durante culto evangélico; pai não era religioso e desaprovava o ato em casa

Agencia Estado

26 de agosto de 2007 | 22h59

Uma evangélica afirmou neste domingo, 26, durante um culto transmitido ao vivo pela Rádio Rede Aleluia ter estrangulado a própria filha e bebido o sangue num ritual satânico. Assustados, ouvintes da emissora avisaram a Polícia Militar. Quando a PM chegou à Igreja Universal do Reino de Deus, na Avenida Celso Garcia, na zona leste de São Paulo, a mulher já desaparecera entre as 4.500 pessoas que estavam no local. Os pastores Wanderson Pereira, de 34 anos, e João de Carvalho, de 50, disseram no 12º Distrito (Pari) não poder identificar a suposta assassina. O caso foi registrado como apologia ao crime. A polícia tentará identificar a suposta assassina em registros do culto em vídeo.Filho mata o pai    Em Osasco, na Grande São Paulo, um jovem evangélico de 22 anos matou o pai em casa durante um culto em família, no Jardim Piratininga. O crime aconteceu depois que o aposentado Luís Carlos Pereira, de 47, chegou em casa e se irritou ao ver a família rezando. "Ele não era evangélico e desaprovava a religião", contou o delegado seccional de Osasco, Cristiano Murillo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.