Mudança prejudica trânsito

RUA VIROU MÃO ÚNICA

O Estado de S.Paulo

08 Janeiro 2013 | 02h03

Em dezembro a CET mudou a mão de direção da Rua Diogo Jácome, privilegiando o tráfego próximo à Escola Móbile, em detrimento do fluxo de Moema. O trânsito foi jogado para as Ruas Inhambu, Juriti e Araguari, provocando congestionamentos. As ruas de Moema não pertencem a essa escola. É lamentável que a Prefeitura tenha privatizado mais uma rua.

MARCIO TABACH / SÃO PAULO

A CET diz que as alterações têm como objetivo melhorar as condições de mobilidade entre os bairros de Moema e Vila Nova Conceição e proporcionar mais fluidez ao trânsito. As mudanças visam a desafogar o trânsito nos principais corredores, onde existe conflito entre o tráfego de passagem e o acesso local. Com a adoção de sentido único na Rua Diogo Jácome, motoristas que seguem para a Vila Mariana têm como alternativa a Avenida Jacutinga e a Rua Inhambu, chegando à Avenida Hélio Pellegrino. Motoristas provenientes da Rua Araguari com destino à Vila Mariana acessarão a Avenida Sabiá, a Rua Inhambu, até chegar à Av. Hélio Pellegrino.

O leitor questiona: A mudança, como foi feita, só melhorou a fluidez da Vila Nova Conceição para Moema, e não no sentido contrário. As rotas alternativas citadas não representam "alternativas", mas uma única rota de saída para que motoristas cheguem à Av. Hélio Pellegrino. Primeiro alteraram a Rua Visconde de Cachoeira - antes mão dupla, a via virou mão única e, por consequência, um corredor para os pais que buscam os filhos na escola. Agora veio a mudança na Rua Diogo Jácome. A CET pode mostrar os estudos que justifiquem tais mudanças?

BAGUNÇA OU MÁ-FÉ?

TAM não libera reembolso

Em 4/4/2012 adquiri duas passagens da TAM, que tiveram de ser canceladas. Entrei em contato com a companhia e funcionários disseram que o reembolso seria feito dentro dos prazos determinados pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). Passados mais de quatro meses - os bilhetes eram para o dia 20/8/2012 -, o reembolso ainda não saiu. Após enviar três mensagens para o Fale com o Presidente, fui informado de que o caso tinha sido encaminhado para o Multiplus, o que achei muito estranho. No dia 19/12 o Multiplus enviou mensagem perguntando se o problema era referente à pontuação ou a cartão de crédito! Isso me parece mais uma ação para a TAM ganhar tempo e deixar o consumidor no prejuízo.

AMÉRICO TAVARES / SÃO PAULO

A TAM diz que entrou em contato com o leitor para pedir desculpas pela demora e informar que o reembolso foi solicitado à administradora do cartão de crédito em 17/12. O valor estará disponível na fatura com fechamento posterior a essa data.

O leitor desmente: A TAM diz que o reembolso foi solicitado em 17/12. A fatura do cartão fechou em 22/12 sem o crédito. Em 3/1 consultei a administradora do cartão, que disse não ter recebido nenhuma solicitação de reembolso. Liguei na TAM e, após longa espera para ser atendido, falaram que iriam acionar o departamento financeiro para saber o que aconteceu. Continua a embromação!

TELEFÔNICA/VIVO

Cobranças indevidas

Corroborando a queixa da leitora Luciana dos Santos Soares Paulino (São Paulo Reclama, ed. de 8/12, pág. C2), manifesto minha revolta e indignação com a Telefônica/Vivo. A irregularidade dos pagamentos cobrados assusta! Cobram, adiantadamente, os serviços prestados, com o lançamento para os próximos 30 dias! E não há como ter acesso à fatura detalhada das chamadas telefônicas realizadas, pois na fatura vem somente o valor total. Ao entrar em contato, ficamos à espera na linha durante interminável tempo e, quando a ligação não cai, orientam que liguemos novamente, caso a transferência não seja completada. É óbvio que a ligação cai! E a dúvida permanece!

CECÍLIA RAMOS / SÃO PAULO

A Telefônica/Vivo informa que a leitora optou por cancelar o serviço. Em relação à cobrança, o caso encontra-se em acompanhamento pela área responsável.

A leitora reclama: O drama continua. A empresa enviou, em 27/12, um telegrama informando tentativa frustrada em contatar-me pelo celular. Deixou um número de telefone solicitando que eu ligasse. Só que esse número de telefone não existe! Recebi um relatório com o detalhamento das chamadas e constatei que inúmeras ligações não foram feitas por mim. Fica patente a desorganização, pois, mesmo após ter recebido a confirmação do cancelamento do plano, recebi fatura com vencimento em 1.º/1.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.