Mudança na coleta de lixo revolta comerciantes do Bom Retiro

Desde o dia 7, coleta é feita pela manhã. Antes, serviço ocorria às 20h. Multa por descumprimento é de até R$ 12 mil

Luísa Alcalde, O Estado de S.Paulo

30 Dezembro 2010 | 00h00

Comerciantes da Rua José Paulino, no Bom Retiro, região central da capital, estão revoltados com a mudança do horário da coleta de lixo. Desde o dia 7, a coleta passou a ser feita no início da manhã, entre 7 e 8 horas. Antes, o serviço ocorria por volta das 20 horas. Quem continuar colocando o lixo fora do novo horário pagará multa de até R$ 12 mil.

A mudança ocorreu, segundo a Prefeitura, para evitar que uma montanha de lixo continuasse espalhada nas calçadas e ruas por catadores de materiais recicláveis, o que ocorria sempre no fim do expediente das lojas. Com risco ainda de ir parar nos bueiros e entupir as galerias em época de chuvas. Trata-se de medida em caráter experimental e passará a valer definitivamente nos próximos dias.

Na tentativa de resolver um problema, porém, a administração municipal criou vários outros para comerciantes e funcionários.

Como a maior parte dos estabelecimentos abre às 8 horas ou às 8h30, quando eles chegam às lojas, o caminhão da coleta já passou. Isso fez com que cada um lançasse mão de uma estratégia inusitada para se livrar do lixo. "Virou um transtorno", diz a caixa Rose Marques, da loja Monia.

"Essa mudança foi uma desgraça. No primeiro dia, quatro caminhões pequenos passaram recolhendo o lixo. Já no terceiro dia, embora tenham tirado os sacos no novo horário, eles ficaram jogados na frente do meu estabelecimento até o meio-dia porque ninguém apareceu para recolher", afirma o comerciante Shalom Samoggi, que há 30 anos tem loja no Bom Retiro. "Pago taxa de lixo no IPTU para agora eu mesmo ter de dar um fim no lixo?"

Sem consulta. Embora a Prefeitura afirme ter realizado reuniões com lojistas para encontrar solução para o problema, Samoggi e os demais lojistas ouvidos ontem afirmaram não ter sido consultados.

Segundo o caixa da loja Gazzi, Rodrigo Aparecido de Lima, a troca de horário da coleta de lixo está obrigando a gerente do estabelecimento a entrar, por conta própria, meia hora mais cedo no trabalho. "Ela está fazendo isso sem receber nada a mais", disse.

A rotina das vendedoras Roseane Santana da Silva e Vanessa Moraes Cavalcanti, da loja Bitua, também mudou. Agora o lixo tem de ficar estocado onde elas fazem as refeições. "Outro dia tinha uma barata dentro da garrafa de água", contaram. "Bem que eles podiam mudar o horário de coleta para 9 horas", dizem.

Os detritos da loja Primores também ficam estocados dentro do estabelecimento durante a semana e só são descartados no sábado, quando são levados por uma lanchonete que contrata serviço particular, contam a caixa Lilian Alves e a vendedora Poliana de Oliveira. "Abro às 7h50 e muitas vezes o caminhão de lixo já passou", diz Lilian.

Coleta particular. O Centro Comercial Bom Retiro, que tem 1.014 salas comerciais e lojas e produz 50 sacos de lixo de 200 quilos todos os dias, tem até 6 de janeiro para se cadastrar na Prefeitura como grande gerador de lixo e contratar serviço de coleta particular.

"Os coletores já nos avisaram que não têm mais a obrigação de entrar aqui para pegar o lixo. Hoje, por exemplo, não apareceram e tivemos de guardar o lixo", afirma o responsável pelo setor, Carlos Professor dos Santos.

A mesma mudança ocorrerá com outros estabelecimentos do mesmo porte na região. Na última fiscalização feita no Bom Retiro, fiscais do Limpurb aplicaram 60 multas contra comerciantes por lixo colocado fora do horário.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.