Mudança de conta sem aviso

BANCO DO BRASIL

O Estado de S.Paulo

15 de junho de 2012 | 03h05

Tive uma conta salário no Banco do Brasil há sete anos e, quando fui demitida, pedi para fechá-la. No ano passado, ao tentar fazer um cartão de um supermercado, soube que havia uma restrição de crédito em meu nome e descobri que o Banco do Brasil tinha colocado meu nome na Serasa pelo não pagamento de tarifas de uma conta e por não pagar um empréstimo. Questionei o banco, porque a conta salário não tem tarifas e também não há a possibilidade de empréstimos. O gerente disse então que tinha mudado a conta salário para conta corrente para a realização do tal empréstimo. A questão é que nunca solicitei empréstimo algum ao banco nem autorizei a mudança para conta corrente! Mesmo assim, o gerente informou que eu teria de pagar a dívida que não fiz para evitar problemas futuros.

JANETE BONGIOVANI D'GASPARI / SÃO PAULO

O Banco do Brasil informa que a leitora foi contatada pelo gerente de sua agência de relacionamento para o esclarecimento dos fatos. Afirma que foram adotados os procedimentos necessários para a regularização da ocorrência.

A leitora critica: Realmente a gerente do banco me ligou, disse que eliminaria as tarifas e que se eu pagasse R$ 230 o caso estaria resolvido. Em cinco dias, segundo ela, meu nome seria retirado da Serasa. Aceitei para resolver de vez o problema, mas acho que eu não deveria pagar nem um centavo, porque se tratava de uma conta salário e não recebi nenhum aviso sobre a mudança para "conta corrente". Conta no Banco do Brasil nunca mais, seja salário, corrente ou poupança!

RECICLAGEM

Coleta seletiva falha

Fazemos coleta seletiva de lixo domiciliar em nosso prédio. Ao mesmo tempo, vemos que a Prefeitura nada faz para melhorar o serviço e não vemos os resultados. Nossos funcionários trabalham exaustivamente para cumprir suas tarefas e a síndica também cumpre o seu dever. Todos os funcionários sabem o que fazer. Quem não faz sua parte é a Prefeitura, que não destina o lixo corretamente.

MARIA DE MELLO / SÃO PAULO

A Autoridade Municipal de Limpeza Urbana (Amlurb) informa que o Programa de Coleta Seletiva da Prefeitura contempla a coleta de porta em porta na Avenida Professor Alfonso Bovero, com o recolhimento todas as segundas-feiras no período diurno, por volta das 15h30. Todos os materiais recicláveis coletados no local, bem como em todos os outros domicílios contemplados pelo programa, são encaminhados para as 20 centrais de triagem da Prefeitura, onde são separados e, posteriormente, revendidos, gerando renda aos cooperados que segregam o material. Ressalta que as concessionárias que fazem o serviço de coleta têm a obrigação de cumprir seu roteiro e qualquer falha deve ser comunicada à Prefeitura.

A leitora contesta: A resposta não é verdadeira, pois não estão sendo coletadas lâmpadas fluorescentes, pilhas e outros materiais tóxicos.

TUPI-TRANSPORTES

Motorista imprudente

Gostaria de registrar minha indignação com o comportamento de um motorista da Tupi Transportes. Em 8/6 eu descia a Avenida Brigadeiro Luís Antonio e, por duas vezes, fui fechada pelo veículo placa CZZ 9268, número 62505. Na altura do número 300 da avenida, o motorista deliberadamente desviou de sua faixa e lançou o pneu dianteiro direito do veículo em direção à parte dianteira esquerda de meu carro. Além de tudo, abriu o vidro e deu risada, debochando da situação. Fui obrigada a usar o freio manual, para evitar uma colisão. O dia era chuvoso, com pouca visibilidade. Levava uma criança no carro que também se assustou. Estou chocada com o fato de um condutor de um veículo de transporte coletivo se comportar de maneira tão imprudente. Acredito que os funcionários sejam treinados e, no caso do motorista citado, ele necessite de uma reciclagem.

ANA MILANI / SÃO PAULO

A Tupi-Transportes Urbanos Piratininga Ltda.nforma que não pode aplicar o regulamento interno mediante a reclamação, porque recebe muitas queixas pessoais para prejudicar funcionários. Diz que a leitora não pode esperar punição contra o condutor, mas que, neste caso, acompanhará a rotina do funcionário, que será reintegrado aos treinamentos da companhia.

A leitora comenta: Em nenhum momento desejei punição severa ao funcionário. Acredito que o que falta é treinamento e aconselhamento, pois o caso foi realmente de zombaria.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.