MPL tem atitude 'antidemocrática' e 'desrespeitosa', diz secretário

Movimento Passe Livre não compareceu à reunião convocada pelo Ministério Público do Estado com o Governo Estadual e a Prefeitura de São Paulo para tentar evitar protestos violentos

Juliana Diógenes, O Estado de S. Paulo

14 Janeiro 2016 | 12h45

O secretário estadual de Segurança Pública, Alexandre de Moraes, disse nesta quinta-feira, 14, que o Movimento Passe Livre (MPL) age de forma "antidemocrática" e "desrespeitosa" por não divulgar previamente o trajeto das manifestações em São Paulo e por ter "se negado ao diálogo".

O Ministério Público do Estado de São Paulo convocou uma reunião nesta quinta para intermediar os conflitos que têm ocorrido entre Polícia Militar e manifestantes. O MPL não compareceu à reunião. Militantes informaram ao Estado que não conseguiriam chegar a tempo. Moraes lamentou a ausência do grupo.

Uma nova mediação foi marcada para a próxima segunda-feira, 18, às 10 horas. O procurador-geral Márcio Elias Rosa propôs que haja uma reunião prévia com o MPL e, posteriormente, com governo do Estado e Prefeitura. O MP foi procurado pelo prefeito Fernando Haddad (PT), que tenta pacificar os protestos e evitar que as ruas se transformem em um palco de guerra entre PM e manifestantes. 

"É um verdadeiro desrespeito o que esse movimento está fazendo com a população de São Paulo", disse o secretário, referindo-se à falta de divulgação do percurso com antecedência. Para Moraes, o MPL tem uma atitude antidemocrática por desrespeitar a Constituição Federal. "Além de não comunicar (o trajeto), não há nada mais antidemocrático do que se negar ao diálogo", disse.

O secretário afirmou que o MPL teria alterado os dois locais e o horário dos protestos desta quinta. O que está previsto para ocorrer às 17 horas no Teatro Municipal teria sido modificado para a Praça da Sé. O outro, que acontecerá simultaneamente, seria transferido para o Largo da Batata. O secretário não especificou a mudança em relação ao horário.

Por causa das alterações, conforme Moraes, a polícia ainda não determinou o trajeto da manifestação. Ele negou que seja "arbitrária" a rota definida pela PM. "Não podemos ficar a mercê de um grupo que não está querendo se manifestar, mas quer causar baderna."

Segundo o secretário, houve "necessidade" de dispersar o ato da última terça-feira, 12, porque os manifestantes estariam "se lançando" contra o bloqueio feito pela PM. Os manifestantes tentavam seguir pela Avenida Rebouças em direção ao Largo da Batata e a polícia queria que o ato caminhasse até a Praça da República pela Rua da Consolação. Nos atos desta quinta, Moraes disse esperar que não haja necessidade de dispersão do ato.

O secretário municipal de Governo, Chico Macena, participou da reunião representando a Prefeitura. Ele cobrou a definição prévia do trajeto para realizar o desvio de linhas de ônibus e a organização do tráfego. O representante municipal fez um apelo para que o diálogo seja feito "de forma pacífica". Questionado sobre a atuação da PM, Macena disse que não é a Prefeitura que deve averiguar se houve abuso policial, mas o Ministério Público e a própria polícia. 

"Se abusos existiram, a população de São Paulo pode ficar tranquila que a Secretaria de Segurança Pública não vai compactuar com nenhum abuso", disse Moraes. Segundo ele, dois manifestantes presos no último ato continuam detidos e devem ser acusados de organização criminosa. De acordo com o secretário, mais de 50 inquéritos foram instaurados contra manifestantes desde junho de 2013.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.