MPF unifica investigações sobre acidente da TAM

Informações da Polícia Civil de SP e da Polícia Federal foram reunidas; junção deve dar fluidez ao processo

Carolina Freitas, da Agência Estado,

22 Março 2009 | 17h37

As investigações da Polícia Civil de São Paulo e da Polícia Federal sobre o acidente com o voo 3054 da TAM foram reunidas em um só inquérito, informou no sábado às famílias das vítimas o procurador responsável pelo caso no Ministério Público Federal (MPF-SP), Rodrigo de Grandis. A incorporação das informações da polícia paulista ao inquérito da PF significa uma nova fase no processo de investigação. Os eventuais acusados devem agora responder à Justiça Federal por crimes contra a segurança do transporte aéreo.

 

Parentes das 199 vítimas fatais do acidente, reunidos neste final de semana em São Paulo, comemoraram a medida. "É um avanço importante para que se chegue aos culpados", disse o presidente da Associação dos Familiares das Vítimas da TAM (Favitam), Dario Scott, à Agência Estado. O professor de 44 anos perdeu a filha adolescente, de 14 anos, no desastre aéreo de julho de 2007. Cerca de 100 familiares fazem, no final da tarde deste domingo, uma manifestação no Aeroporto de Congonhas, palco do acidente.

 

A junção das informações apuradas pelas duas polícias deve dar fluidez ao processo. Para se ter uma ideia do emaranhado de investigações feitas até agora, em novembro passado, a Polícia Civil indiciou dez pessoas por atentado contra a segurança do transporte aéreo. Entre elas estavam os ex-presidentes da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), Milton Zuanazzi, e da Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero), o brigadeiro José Carlos Pereira.

 

O Ministério Público Estadual (MPE-SP), por sua vez, alterou alguns nomes, recomendou o indiciamento de 11 pessoas, mas não as denunciou à Justiça Estadual por entender que a questão era de abrangência federal. O Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) suspendeu então as acusações, para evitar a possibilidade de um duplo indiciamento, por parte da Polícia Civil paulista e da PF, que já investigava o caso.

 

Um dos principais documentos juntados ao material da Polícia Federal é o laudo do Instituto de Criminalística de São Paulo (IC), que serviu de base para os indiciamentos e aponta falhas da cúpula da Anac, da Infraero, da TAM, dos pilotos do avião e da fabricante do jato, a Airbus.

 

Manifestação

 

Os parentes das vítimas do acidente da TAM farão uma caminhada pelo Aeroporto de Congonhas, com paradas em frente ao balcão da companhia aérea e no saguão central. Representantes da associação lerão o nome de cada um dos apontados pela Justiça como responsáveis pela tragédia. Levarão ainda flores brancas até o terreno em frente ao aeroporto, onde o avião da TAM caiu após varar a pista de Congonhas em uma aterrissagem malsucedida em 17 de julho de 2007.

 

A manifestação marca a 17ª reunião dos familiares, que se encontram mensalmente ora em São Paulo, ora em Porto Alegre. O voo 3054 vinha da capital do Rio Grande do Sul, portanto a maioria dos mortos era gaúcha. "Há parentes que, depois da tragédia, se recusam a viajar de avião por causa da tragédia", explica Scott. Conforme acordo firmado com as famílias, a TAM custeia esses encontros.

 

Um ato ecumênico no hotel em que as famílias estão hospedadas, próximo ao aeroporto, reuniu ontem 160 pessoas. Quase dois anos após a tragédia, Scott diz que o sentimento entre os que perderam alguém no acidente é de esperança. "Estamos firmes na esperança e na cobrança", disse. "Nossa luta é para que outras famílias não tenham de passar pela mesma dor que nós."

Mais conteúdo sobre:
TAMVoo 3054

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.