MPF recorre e volta a pedir fechamento de Congonhas

Alegando que não havia provas que relacionassem a pista ao acidente, juiz negou primeiro pedido

Anne Warth, da Agência Estado,

01 de agosto de 2007 | 16h53

O Ministério Público Federal de São Paulo (MPF-SP) decidiu recorrer da decisão judicial que negou o pedido de liminar que havia elaborado solicitando a suspensão das operações no Aeroporto de Congonhas enquanto não forem esclarecidas as causas do acidente aéreo com o Airbus da TAM, no último dia 17 de julho.   Veja mais:  Leia os últimos diálogos dos pilotos no Airbus   Caixa-preta aponta que piloto não conseguiu desacelerar Airbus  Brigadeiro diz que caixa-preta revela um 'filme de terror'  CPI quer inquérito sobre vazamento de dados da caixa-preta  Quem são as vítimas do vôo 3054  Galeria de fotos  Opine: o que deve ser feito com Congonhas?  Cronologia da crise aérea  Vídeos do acidente  Tudo sobre o acidente do vôo 3054   Sob a alegação de que não havia provas que relacionassem a pista principal do aeroporto ao acidente que vitimou 199 pessoas, o juiz Clécio Braschi, da 8.ª Vara Federal Cível, rejeitou o pedido de liminar do MPF-SP.   Os procuradores do MPF-SP Márcio Schusterschitz da Silva Araújo e Suzana Faibanks explicaram em nota que o recurso é motivado pela possibilidade de que novos acidentes aconteçam em virtude das próprias condições do aeroporto. "Fica clara a falência de Congonhas como conceito", diz o texto. "As dúvidas referentes à segurança do aeroporto permanecem", acrescentam os procuradores.   Para o MPF-SP, "a infra-estrutura aeroportuária deve ser encarada como um limite para a aviação", e todas as iniciativas que dizem respeito a mudanças no perfil de Congonhas só deveriam ser tomadas após a completa apuração das causas da tragédia e análise das possibilidades de uso do aeroporto. "Dentro deste panorama, a vida, sendo o maior direito assegurado pela Constituição, deve prevalecer sobre qualquer outro interesse", finaliza a nota.

Tudo o que sabemos sobre:
crise aéreaaeroportosCongonhas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.