MPF quer impedir desapropriação de área para expansão do Metrô em SP

Seriam despejadas 48 famílias do terreno pertencente à Caixa em Santo Amaro, zona sul de SP

Central de Notícias,

26 de setembro de 2011 | 19h17

SÃO PAULO - O Ministério Público Federal em São Paulo pediu a suspensão imediata da decisão judicial que determinou a "execução do mandado de imissão na posse, com auxilio da força policial" de um terreno pertencente à Caixa, localizado na avenida Santo Amaro, na zona sul da capital paulista. No local serão realizadas obras de expansão da Linha Lilás do Metrô.

Caso a decisão judicial seja cumprida, 48 famílias serão desalojadas. Entre elas estão 31 crianças e adolescentes. O procurador da República José Roberto Pimenta Oliveira defende que, antes que a desapropriação seja efetivada, o Metrô adote medidas eficientes de realocação das famílias atingidas.

Segundo os documentos juntados à ação, a única alternativa ofertada pelo Metrô às famílias que serão removidas foi a inscrição no Programa de Parceria Social, mantido pela Prefeitura de São Paulo, que prevê pagamento de um aluguel social de R$ 400 durante dois anos.

No local, além das residência, também há um ferro-velho funcionando. Parte dos moradores do terreno sobrevive da atividade de reciclagem de papelão, alumínio, cobre e ferro.

O MPF pede ainda que "o Metrô disponibilize recursos para a retirada e locomoção das pessoas, dos bens e pertences que se encontram no imóvel para outra localidade condizente com a preservação da dignidade dessas pessoas."=

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.