MPF descobre esquema para assassinar juízes federais no MS

O Ministério Público Federal no Mato Grosso do Sul descobriu um esquema de encomenda de assassinatos de juízes federais que partia de um detento no Presídio Militar de Campo Grande. O bombeiro Ales Marques foi preso em julho, acusado de liderar uma quadrilha internacional de tráfico de drogas. Na quinta-feira, o MPF pediu que ele seja transferido para um presídio federal de segurança máxima, "preferencialmente fora do Estado".

, O Estado de S.Paulo

05 Fevereiro 2011 | 00h00

Segundo o órgão, Marques continua usando celulares livremente no presídio. Ele teria arquitetado a morte de desafetos e magistrados que lidam com seu processo. O MPF também solicitou à Polícia Federal que aumente a segurança dos juízes.

Mas o uso do celular não é a única irregularidade apontada pelo MPF. O órgão aponta como "estarrecedor" o fato de ele ter saído do presídio no último dia 14. Marques teria sido levado em diligência, sem algemas, a uma chácara na capital do Mato Grosso do Sul, sem mandado judicial.

O bombeiro foi preso em flagrante, assim como sua ex-mulher e os filhos, na Operação Maré Alta, da Polícia Federal. Ao todo, o MPF denunciou 18 pessoas da quadrilha, que trazia cocaína do Paraguai e a levava para São Paulo, Paraná e Rio Grande do Sul. Na época, foram apreendidos quase 80 quilos da droga com os criminosos. Marques também é acusado de tráfico de armas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.