MPE investiga ação do PCC em feira do Brás

Testemunhas revelaram que o dinheiro arrecadado com os camelôs era repassado à facção por um comerciante

Marcelo Godoy, O Estado de S.Paulo

11 Novembro 2013 | 02h04

SÃO PAULO - O Primeiro Comando da Capital (PCC) se infiltrou na Feira da Madrugada e passou a cobrar taxa de proteção de ambulantes que trabalham nos arredores do terreno no Brás, no centro de São Paulo. Testemunhas ouvidas pelo Ministério Público Estadual (MPE) revelaram que o dinheiro arrecadado com os camelôs era repassado à facção por um comerciante. A investigação foi aberta pelo MPE para apurar irregularidades no centro de compras populares - em reforma desde maio. As testemunhas apontam um traficante de drogas conhecido como Feijão como o homem do PCC.

Para tentar conter as máfias do lugar, o promotor César Dario Mariano da Silva pediu à Prefeitura que adote critérios que garantam "o princípio da isonomia para coibir a ocorrência de fraudes".

Ao MPE, a Secretaria da Coordenação das Subprefeituras, respondeu que "serão concedidos alvarás de funcionamento só aos atuais comerciantes e que tenham sido previamente cadastrados".

Mais conteúdo sobre:
pcc feira do Brás

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.