Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

MP vê formação de quadrilha e denuncia 11 por Máfia do ISS

Acusados também devem responder por lavagem de dinheiro e concussão; esquema adulterava o valor do imposto devido por grandes construtoras na hora de emitir o Habite-se e teria causado um prejuízo de R$ 500 milhões à Prefeitura

Bruno Ribeiro, O Estado de S. Paulo

08 de agosto de 2014 | 03h00

SÃO PAULO - Depois de 15 meses de investigação, o Ministério Público Estadual (MPE) fez a primeira denúncia contra os servidores da Prefeitura acusados de fraudar a arrecadação do Imposto sobre Serviços (ISS). Para a promotoria, a chamada Máfia do ISS cometeu os crimes de concussão, lavagem de dinheiro e formação de quadrilha. A denúncia inclui cinco funcionários que atuaram durante a gestão Gilberto Kassab (PSD) e alguns de seus familiares. 

Segundo a denúncia - assinada por quatro promotores de Justiça do Grupo Especial de Delitos Econômicos (Gedec) e dois assistentes jurídicos -, o ex-subsecretário da Receita Municipal Ronilson Bezerra Rodrigues e os auditores fiscais Eduardo Horle Barcellos, Carlos Augusto di Lallo Leite do Amaral e Luís Alexandre Cardoso de Magalhães “associaram-se de forma estável e permanente em quadrilha com o fim de cometer crimes”.

Para isso, contavam “com agentes públicos não identificados”. Além dos quatro, o MPE denunciou também o homem apontado como o “criador” do esquema que permitia as fraudes no ISS, Amilcar José Cançado Lemos. 

Ronilson, ex-homem forte da arrecadação da Prefeitura, “era peça fundamental” da quadrilha, “blindando-os em caso de denúncias e reclamações”, segundo o texto. A denúncia cita, sem detalhar, pagamentos de propina e repasses a servidores desde o ano 2000. A Justiça ainda vai avaliar se aceita a denúncia, que incluiu 12 testemunhas protegidas.

Além dos fiscais que trabalharam diretamente no esquema, o MPE denunciou a mulher de Amilcar Lemos, Maria Luísa Lemos, e a filha dele, Aline Lemos. Segundo a denúncia, elas ajudavam o acusado a lavar dinheiro. Segundo a denúncia, a Máfia do ISS adulterava o valor do imposto devido por incorporadoras que buscavam a Quitação do ISS - o documento é necessário para a obtenção do Habite-se. “As construtoras entregavam documentos aos auditores fiscais, que, por sua vez, glosavam diversas notas fiscais, provocando diminuição da compensação tarifária referente ao ISS”. Assim, faziam um cálculo com 50% de desconto para a empresa, embolsando parte do dinheiro e adulterando o valor devido aos cofres públicos.

No caso de Ronilson, além da mulher, Cassiana, o MPE denunciou ainda seu cunhado, Henrique Manhães Alves. Ele teria ajudado a lavar dinheiro do chefe da quadrilha mediante transações imobiliárias. O contador de Ronilson, Rodrigo Camargo Remesso, também foi acusado de lavagem.A mulher de Carlos di Lallo, Clarice Silva do Amaral, também foi associada à quadrilha e acusada de associação criminosa e lavagem de dinheiro.

O procedimento investigatório que baseou a ação tem 12 mil páginas. Nelas, o MPE listou cerca de R$ 100 milhões em bens adquiridos pelos acusados com o dinheiro de propina.

O caso veio a público em 30 de outubro passado, quando a Justiça concedeu prisão temporária dos quatro fiscais já demitidos da Prefeitura. A investigação havia começado em abril. Criada pela gestão Fernando Haddad (PT), a Controladoria-Geral do Município identificou patrimônio incompatível com a renda dos servidores e começou a apurar a conduta dos fiscais. Diante de indícios, denunciou o esquema ao MPE, que fez as investigações. 

Há desdobramentos do esquema, como citações ao ex-secretário de Finanças Mauro Ricardo e ao empresário Marco Aurélio Garcia, irmão do candidato a deputado federal Rodrigo Garcia (DEM), que ficaram de fora da denúncia. O MPE diz que outras acusações ainda serão feitas. Os advogados dos acusados não foram encontrados.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.