MP vai investigar cancelamentos e atrasos em voos da Webjet

A Procuradoria da República em Brasília abriu ontem inquérito para apurar cancelamentos e atrasos nos voos da Webjet desde segunda-feira. A empresa - que não pode vender passagens com saída até sexta - afirma não ter sido notificada. A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) também terá de prestar esclarecimentos.

Tânia Monteiro e Nataly Costa, O Estado de S.Paulo

30 Setembro 2010 | 00h00

O procurador Marcus Marcelus Goulart disse que a empresa e a Anac terão dez dias para responder aos questionamentos. O Ministério Público Federal quer saber quantos voos foram cancelados e atrasados, e quantos passageiros, prejudicados. Da Anac, vai investigar quais medidas estão sendo tomadas para fiscalizar os abusos da Webjet. "Quando tivermos um diagnóstico da situação, veremos quais medidas serão tomadas."

Em agosto, a Webjet foi autuada pela Anac em R$ 600 mil por extrapolar o limite de carga horária da tripulação, mas ainda tem 30 dias para pagar a multa.

Monitoramento. O ministro da Defesa, Nelson Jobim, anunciou esquema especial nos aeroportos para evitar transtornos no fim de semana das eleições. Em nota, a Infraero e a Anac informaram que vão "intensificar o monitoramento em seus 67 aeroportos com o objetivo de assegurar que os eleitores tenham seus deslocamentos sem transtornos".

A Infraero suspenderá a folga de funcionários de hoje até terça-feira.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.