MP vai denunciar traficante solto por magistrado

Capuava, considerado pela Secretaria de Segurança Pública como o maior traficante de drogas de São Paulo, conseguiu habeas corpus

Alexandre Hisayasu, O Estado de S. Paulo

11 de agosto de 2015 | 22h55

SÃO PAULO - Promotores do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), de Guarulhos, vão participar das investigações da quadrilha chefiada por Welinton Xavier dos Santos, o Capuava, considerado pela Secretaria de Segurança Pública como o maior traficante de drogas de São Paulo.

Segundo o promotor Adolfo Sakamoto Lopes, a denúncia deve ser oferecida à Justiça ainda esta semana para que o processo criminal contra todos os suspeitos seja instaurado com rapidez. Capuava e outros quatro comparsas foram presos em uma mansão na zona rural de Santa Isabel, na Grande São Paulo. Segundo a polícia, com eles foram apreendidos 1,6 tonelada de cocaína pura, 898 quilos de produtos para misturar a droga, quatro fuzis, uma pistola, carros com fundo falso e diversas munições.

No dia 5, o desembargador Otávio Henrique de Sousa Lima, do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP), mandou soltar Capuava, por meio de habeas corpus. Na decisão, ele considerou que as provas contra o acusado eram frágeis e não justificavam a permanência na prisão. A decisão levou o presidente do TJ-SP, desembargador José Renato Nalini, a instaurar procedimento para apurar a conduta de Sousa Lima. O magistrado não quis se manifestar.

Mais conteúdo sobre:
GaecoCapuava

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.