MP vai apurar transtornos gerados pela greve no transporte público em São Paulo

Inquérito vai avaliar se os sindicalistas desrespeitaram a decisão judicial de mater 100% do efetivo funcionando nos horários de pico

Agência Brasil,

23 de maio de 2012 | 18h04

SÃO PAULO - O Ministério Público Estadual de São Paulo instaurou nesta quarta-feira, 23, inquérito civil para apurar as responsabilidades dos sindicatos dos metroviários e dos ferroviários na greve dos trabalhadores. A paralisação gerou grande congestionamento na cidade e provocando muitos problemas para os usuários de transporte público.

O MP avalia se os sindicalistas desrespeitaram a decisão judicial do Tribunal Regional do Trabalho (TRT) da 2ª Região, que determinava que os funcionários dos trens e dos metrôs deveriam manter 100% do efetivo funcionando nos horários de pico (entre as 5h e as 9h) e 85% nos demais horários.

Para os promotores que assinam a portaria - Gilberto Nonaka (Consumidor), Mauricio Antonio Ribeiro Lopes (Habitação e Urbanismo) e Walter Foleto Santin (Patrimônio Público e Social) -, o desrespeito à decisão trabalhista atinge diretamente o interesse coletivo ao transporte público, que é um serviço essencial para a população.

O Ministério Público informou já ter expedido ofício aos sindicatos envolvidos no movimento grevista e também à Companhia do Metropolitano de São Paulo (Metrô) e à Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM), solicitando informações sobre os fatos.

Em nova audiência realizada hoje no TRT, o Metrô concordou em aumentar o vale-refeição diário para R$ 23, o valor mensal do vale-alimentação para R$ 218 e propôs elevar o adicional de periculosidade para 15%. Neste momento, os sindicalistas estão reunidos em assembleia para definir se aceitarão a proposta feita pela companhia e se a greve será encerrada na capital.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.