MP vai acompanhar investigação sobre briga entre punks e skinheads

Jovem punk foi morto em briga envolvendo cerca de 70 skinheads de gangues no fim semana

Marcela Bourroul Gonsalves, estadão.com.br

06 de setembro de 2011 | 16h41

SÃO PAULO - O Ministério Público de São Paulo designou nessa segunda-feira, 5, uma promotora de Justiça para acompanhar as investigações policiais sobre a morte do punk Johni Raoni Falcão Galanciak. Ele teria sido morto durante uma briga envolvendo cerca de 70 pessoas de gangues rivais skinheads.

Mildred de Assis Gonzalez, do Tribunal do Júri do Foro de Pinheiros, atuará no caso até que o inquérito policial seja distribuído para um promotor natural.

O conflito aconteceu no último sábado, 3, em Pinheiros, zona oeste da capital paulista. Fábio dos Santos Medeiros, de 21 anos, ficou ferido e precisou ser internado. Os donos do Carioca Club, onde os envolvidos estavam reunidos, afirmaram que pediram à Polícia Militar (PM) reforço para evitar o suposto confronto depois de acompanhar em redes sociais as ameaças de uma briga entre os grupos rivais.

A Delegacia de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância (Decradi) identificou a participação dos grupos de skinheads Front 88, Terror Holligan e Resistência Nacionalista, e investiga a participação deles na morte de Galanciak.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.