MP-SP investiga fraude em uso de verba pública pela Federação Brasileira de Musculação

A análise dos documentos revela que há nomes repetidos de atletas na lista de hospedagem em um hotel da capital paulista, além de quase quatro vezes mais medalhas e troféus do que participantes

Tiago Dantas, O Estado de S. Paulo

08 de outubro de 2013 | 12h45

SÃO PAULO - O Ministério Público do Estado de São Paulo (MP-SP) investiga o repasse de cerca de R$ 336 mil dos cofres públicos para uma associação esportiva organizar um campeonato mundial de musculação em 2011. Documentos levantados pela Promotoria apontam para uma suposta fraude na prestação de contas dos convênios firmados entre a entidade, o governo do Estado e a Prefeitura da capital paulista.

Em 2011, a Federação Brasileira de Musculação (Nabba, da sigla em inglês de National Amateur Bodybuilders Association) utilizou R$ 285.000 da Secretaria Estadual de Esportes e R$ 51.550 da Secretaria Municipal de Esportes para organizar o 28° Campeonato Mundial de Musculação em São Paulo. O dinheiro foi liberado dentro das regras, segundo a investigação.

Meses depois, a entidade prestou contas às duas pastas mostrando onde gastou o dinheiro. A análise dos documentos revela que há nomes repetidos de atletas na lista de hospedagem em um hotel na capital paulista. Outro conjunto de notas fiscais apresentados para os órgãos públicos mostra que havia quase quatro vezes mais medalhas e troféus do que participantes no torneio. Em geral, competições de musculação premiam os três melhores em cada categoria.

Só com um hotel, foram gastos R$ 142 mil. A nota apresentada pela Nabba afirma que o valor inclui hospedagem, transporte e alimentação. A lista apresentada oficialmente pela federação tem 290 nomes, mas alguns deles aparecem mais de uma vez. O campeonato mundial teria tido a participação de 106, segundo a denúncia do Ministério Público. O dado também chamou a atenção porque atletas que competem em campeonatos de musculação não costumam comer durante as competições.

"Para mostrar o corpo, o atleta está no limite da alimentação. Um copo de água pode atrapalhar a aparência de um músculo. Muitos atletas levam sua própria alimentação para os torneios, porque são coisas muito específicas", diz Sergio Gollo, presidente da Federação Paulista de Musculação. Gollo disse que boa parte dos competidores viviam em São Paulo e, portanto, não precisariam ficar hospedados em hotel.

Por fim, a Promotoria questiona a validade de uma ata do dia em que foram eleitos o presidente e os diretores da Nabba. Laudos periciais mostraram que a assinatura de dirigentes de três federações estaduais foram fraudadas. Por causa disso, a Nabba está sob intervenção judicial. Apesar disso, o mesmo quadro de dirigentes comanda a Nabba Sudamerica, entidade sulamericana de musculação.

Em 15 de fevereiro deste ano, a Promotoria do Patrimônio Público e Social enviou ofício às duas secretaria de esporte recomendando "cobrar os valores repassados à entidade no prazo de 90 dias" e "deixe de repassar valores à Nabba". Procuradas, as pastas não informaram se pediram a devolução do dinheiro repassado para a organização do evento em 2011, mas garantiram que não fecharam nenhum convênio com a federação este ano. A Nabba não foi localizada para comentar o assunto.

A Secretaria Municipal de Esportes informou que "encaminhou os processos relacionados à Nabba à Controladoria Geral do Município, para investigação da regularidade nas respectivas execuções". A pasta disse, ainda, que encaminhou ao Ministério Público cópia integral do processo administrativo do convênio firmado em 2011 com a federação.

Já a Secretaria Estadual de Esporte, Lazer e Juventude informou que a prestação de contas da referente ao 28° Campeonato Mundial de Musculação, realizado em 11 de junho de 2011, foi "aprovada mediante apresentação dos comprovantes exigidos em lei, inclusive com fotos de todas as etapas da competição". A pasta disse também que a verba repassada à Federação, " teve como fonte o Ministério do Esporte e desde 2011 não firmou novos convênios com a entidade".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.