Amanda Perobelli/Estadão
Amanda Perobelli/Estadão

MP processa Prefeitura por suposto favorecimento em concorrência para carnaval

Investiga apura se gestão João Doria interferiu em disputa para a escolha do patrocinador oficial da folia de rua paulistana

Fabio Leite e Luiz Fernando Toledo, O Estado de S.Paulo

29 Novembro 2017 | 04h00

SÃO PAULO - O Ministério Público Estadual (MPE) ingressou com uma ação civil de responsabilidade pela prática de improbidade contra a Prefeitura de São Paulo, por possível direcionamento em favor da empresa Dream Factory para a realização do carnaval de rua neste ano. 

+++ Doria quer pôr carnaval de blocos na 23 de Maio

Na ação, o promotor de Justiça Nelson Sampaio pede a condenação, perda do cargo e suspensão dos direitos políticos do vice-prefeito Bruno Covas (PSDB); do secretário de Governo, Júlio Semeghini; do secretário de Cultura, André Sturm; e das agentes públicas Gabrielle Araújo, Gabriela Pereira e Karen Oliveira. 

+++ Doria cogita tirar carnaval de rua da Vila Madalena em 2018

Segundo inquérito civil da Promotoria de Justiça do Patrimônio Público e Social, a parceria foi “maculada por irregularidades que indicam claramente ter ocorrido direcionamento em favor da empresa”. 

+++ Gestão do carnaval de rua vai para Bruno Covas

Em nota, a Prefeitura negou as irregularidades na conduta de seus agentes e disse que o procedimento adotado “respeitou os princípios norteadores da Lei Federal de Licitações”. Destacou ainda que todos os atos praticados foram publicados no Diário Oficial da Cidade

Desde junho o MPE investiga se a gestão João Doria (PSDB) interferiu em uma concorrência para escolha do patrocinador oficial do carnaval de rua paulistano em favor de uma das empresas. O patrocínio de R$ 15 milhões foi firmado com a agência de eventos Dream Factory em janeiro.

Segundo reportagem da Rádio CBN, de junho, os integrantes do primeiro escalão da Prefeitura participaram de reunião com diretores da Dream Factory. Nesse encontro, teriam orientado a empresa a modificar itens da planilha de serviços proposta para vencer a concorrência. Também participava da disputa a empresa SRCOM.

Além disso, o Tribunal de Contas do Município (TCM) também constatou irregularidades no chamamento público do patrocínio do carnaval de rua. Para o TCM, a justificativa apresentada pela comissão especial de avaliação da pasta de Cultura para a escolha da Dream Factory “padece de fundamentação”. Além dos agentes públicos, o promotor pede a condenação da empresa Dream Factory e de seus sócios.

 

Empresa

A Dream Factory, em nota, disse que não vai se pronunciar sobre o assunto por ainda não ter sido citada. Informou ainda que “está à disposição das autoridades para esclarecer o que for necessário”.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.