FELIPE RAU/ESTADÃO
FELIPE RAU/ESTADÃO

MP investigará suposta propina no Rodoanel

Órgão apura possível improbidade praticada por agentes públicos da Dersa e da Companhia Paulista de Desenvolvimento Habitacional e Urbano

O Estado de S. Paulo

10 Novembro 2016 | 04h00

O Ministério Público de São Paulo instaurou inquérito civil para apurar possível improbidade administrativa praticada por agentes públicos da Desenvolvimento Rodoviário (Dersa) e da Companhia Paulista de Desenvolvimento Habitacional e Urbano (CDHU). Também são alvo da investigação José Antunes Sobrinho, sócio da Engevix, além de Milton Pascowitch e José Adolfo Pascowitch, donos da Jamp, apontada pela promotoria como empresa de fachada.

Segundo a portaria que instaurou o inquérito civil, do promotor Marcelo Camargo Milani, do Patrimônio Público e Social, o objeto é a “apuração de suposto pagamento de propina” a agentes públicos em contratos do Trecho Norte do Rodoanel Mario Covas. A investigação tem origem em reportagem da revista Época.

Providências. Em nota, a CDHU afirma que nunca teve contrato com a Jamp. Também diz ter acionado a Engevix, que nega a denúncia. A Dersa afirma que instaurou procedimento interno. “Desde que as denúncias apresentem fundamento, os contratos com a Engevix serão rescindidos e os funcionários eventualmente implicados, punidos”, diz a nota. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.