MP investiga vereador e Kassab cria site para doações

Objetivo é esclarecer suposto desvio de ajuda para o Rio; oposição diz que fundação ligada a[br]Kamia (DEM) é fantasma

Diego Zanchetta, Felipe Frazão, Rodrigo Burgarelli, O Estado de S.Paulo

06 Maio 2011 | 00h00

O Ministério Público Estadual vai investigar a denúncia de que a Defesa Civil Municipal estaria liberando donativos apenas para entidades ligadas a vereadores paulistanos. Ontem, o prefeito Gilberto Kassab (PSD) anunciou que vai criar um portal na internet para gerenciar donativos de qualquer campanha que tenha participação da Prefeitura a partir de agora.

Kassab não deu prazo para a proposta entrar no ar, mas disse que o novo site deve dar mais transparência ao destino do material recolhido. "É para que fique claro e bem identificado quem está enviando, como está indo, quem está recebendo e como chegou (o donativo)", afirmou. Ele defendeu o coordenador da Defesa Civil, coronel Jair Paca de Lima, e disse que prefere aguardar a apuração do caso para tomar outras providências.

Convidado pela liderança do governo na Câmara Municipal, Paca se apresentou ontem na Casa, em uma tentativa de esclarecer a denúncia de que a Defesa Civil estaria liberando doações destinadas à região serrana do Rio e a São Paulo apenas para entidades indicadas por vereadores. Em gravação transmitida pela Rádio Bandeirantes AM, uma funcionária do órgão teria informado que os mantimentos que haviam sobrado no galpão municipal só seriam liberados após a indicação de algum vereador.

Nominalmente, a funcionária citou apenas Ushitaro Kamia (DEM), que apoiou a campanha de Paca a deputado estadual no ano passado. Na Câmara, Paca voltou a negar ter negociado direcionamento de itens com qualquer vereador, apesar de confirmar a doação de 250 quilos de roupas para a Fundação Oriente-Ocidente, ligada a Kamia.

Disputa. O depoimento, entretanto, não foi suficiente para convencer os vereadores de oposição ao governo. Vários suspeitam de que a Fundação Oriente-Ocidente seja fantasma - a entidade não possui site nem número em lista telefônica e tem raríssimas menções na internet sem estar vinculada ao nome de Kamia. "Tudo leva a crer que o escritório político de Kamia e a fundação são a mesma coisa", disse Adilson Amadeu (PTB).

Em um site voltado à comunidade nipônica, o endereço atribuído à entidade é exatamente o mesmo do escritório do vereador no Tremembé, zona norte de São Paulo. Procurados pelo Estado, tanto o gabinete de Kamia quanto a Defesa Civil Municipal se negaram a informar o CNPJ ou o endereço da fundação - Paca havia dito um dia antes que só autorizava doações após as entidades interessadas comprovarem o CNPJ e sua atuação efetiva.

Em sua defesa, Kamia afirmou que não indica nenhum funcionário da fundação e não sabe por que uma funcionária da entidade pedia título de eleitor e RG antes de liberar as doações. Ele negou novamente ter intermediado a ajuda.

Apesar de não informar o CNPJ nem o endereço da Oriente-Ocidente, o comandante da Defesa Civil afirmou que vai entregar à Câmara um relatório com todas as entidades que receberam doações neste ano.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.