MP investiga quadrilha especializada em extorquir agentes públicos

Foram cumpridos 11 mandados de busca e apreensão e dois advogados foram presos por receptação e porte ilegal de munição na região de Campinas

Ricardo Brandt, O Estado de S. Paulo

01 Abril 2014 | 20h44

CAMPINAS - Uma operação do Ministério Público com apoio da Corregedoria da Polícia Civil e da Polícia Militar desarticulou uma suposta quadrilha especializada em extorquir agentes públicos da região de Campinas. Foram cumpridos nesta terça-feira, 1º, 11 mandados de busca e apreensão e dois advogados foram presos por receptação e porte ilegal de munição.

Pelo menos dois secretários de governo das cidades de Jaguariúna e Monte Mor teriam sido achacados pelos acusados, que usavam o nome do Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado (Gaeco) para agir.

Um dos advogados presos, que não teve o nome divulgado, é marido de uma ex-promotora do Gaeco. Além de advogados há policiais civis investigados. Foram feitas buscas na Delegacia Seccional de Campinas e no Departamento de Polícia Judiciária do Interior de Campinas (Deinter 2).

Um dos secretários vítima do esquema, Miguel Padilha, relatou ao MP no ano passado que um advogado o procurou dizendo que poderia livrá-lo de uma investigação do Gaeco e pediu R$ 130 mil para isso. Ele procurou a promotoria que abriu investigação.

Mais conteúdo sobre:
Campinas agentes públicos extorsão

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.