MP investiga construção de shopping na Marginal

Objetivo é assegurar que as contrapartidas de tráfego exigidas pela Prefeitura sejam feitas antes da inauguração

ADRIANA FERRAZ, O Estado de S.Paulo

17 Abril 2012 | 03h02

O Ministério Público Estadual abriu processo para investigar a construção do Tietê Plaza Shopping, no cruzamento da Avenida Raimundo Pereira de Magalhães com a Marginal do Tietê, em Pirituba, zona norte de São Paulo. O objetivo é assegurar que as obras de contrapartida exigidas pela Prefeitura até outubro de 2013, quando o empreendimento deve ser inaugurado, fiquem prontas a tempo de mitigar o impacto negativo no trânsito local.

Segundo a promotora de Justiça Stela Tinone Kuba, da Promotoria de Habitação e Urbanismo, o novo shopping já pode ser classificado como um grande polo gerador de tráfego e, por isso, requer acompanhamento - outros nove estão na lista do MPE.

A expectativa é de que o empreendimento receba 20 mil pessoas por dia - 3 mil a mais que a movimentação prevista para o Shopping JK Iguatemi, na zona sul, cuja inauguração foi barrada a pedido da promotora Stela. A Justiça determinou que ele só comece a funcionar quando as obras de contrapartida forem finalizadas.

No caso do Tietê Plaza, a investigação aberta pela Promotoria visa a evitar nova ação civil pública por descumprimento das regras, além de definir se as intervenções exigidas pela Prefeitura são suficientes.

O pacote estabelecido na certidão de diretrizes emitida pela Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) não prevê grandes obras, como a construção de um novo viaduto, mas investimentos na adoção de nova sinalização, alargamento de via, recuperação de pavimento e instalação de câmeras de monitoramento, além de painéis de mensagens variáveis.

Responsável pela construção, a Cyrela assegurou que cumprirá as determinações municipais a tempo de mitigar os impactos no trânsito. "Os projetos já estão elaborados e as obras serão finalizadas antes da inauguração do empreendimento", afirmou, em nota. A lista, segundo a empresa, inclui ainda o plantio de 515 mudas de espécies nativas.

A primeira fase terá 214 lojas, 7 salas de cinema e estacionamento com capacidade para até 2,4 mil vagas. Os números, porém, podem aumentar, uma vez que o projeto prevê expansão.

Ponte. Antiga demanda da comunidade de Pirituba, a ponte que ligaria a Marginal do Tietê à Avenida Raimundo Pereira de Magalhães voltou a ser debatida com o início das obras do shopping. Na sexta, audiência convocada pela Comissão de Finanças e Orçamento da Câmara Municipal reuniu moradores que reivindicam que a obra seja incluída no Orçamento de 2013. Para eles, a ponte ajudaria a reduzir não só o impacto negativo a ser provocado pelo centro de compras, como também o aumento de fluxo que o Piritubão e o Trecho Norte do Rodoanel levarão ao bairro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.