MP e Judiciário têm sua parcela de culpa no problema

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Joaquim Barbosa, mostrou-se pessimista em dezembro ao falar sobre o sistema carcerário, após dezenas de mortes em Pedrinhas. E veio a público dizer que os mutirões carcerários do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) não resolvem o problema e a imprensa e a sociedade não se interessam pelo assunto. Jogou a responsabilidade integral para o Executivo e cobrou que o Ministério Público acionasse o Judiciário para obrigar os Estados a investir na melhoria dos presídios.

ANÁLISE: Felipe Recondo, O Estado de S.Paulo

10 de janeiro de 2014 | 02h05

A começar pelo fim. Há mais de cinco anos tramita no STF um processo movido pelo MP gaúcho e relatado pelo ministro Ricardo Lewandowski. Na ação, pede-se justamente que o Judiciário determine aos governos estaduais e federal a realização de obras em prisões. Em 2009, até com o voto de Barbosa, os ministros reconheceram a repercussão geral. Falta ao STF julgar o processo.

Os relatórios feitos pelo CNJ também colocam em dúvida outra afirmativa. A promoção de obras é de responsabilidade do Executivo estadual e federal. Mas quem é responsável por manter preso alguém que havia cumprido integralmente sua pena, mas permanecia encarcerado quatro anos depois? A quem cabe garantir a correta execução da pena? A responsabilidade é do Judiciário.

O MP tem igual responsabilidade. No Maranhão, onde os presídios reúnem o que há de pior, as visitas de promotores eram raras, conforme diagnosticou o CNJ em 2011. E há o quinhão do CNJ: a primeira inspeção nos presídios locais data de 2008. O quadro encontrado era o mesmo de hoje: mortes, superlotação, falta de investimentos e extensa lista de violações aos direitos humanos.

Em 2011, com Cezar Peluso, o CNJ voltou ao Maranhão. O cenário não se alterara. Na gestão Ayres Britto, o problema foi ignorado. E o ministro Joaquim Barbosa demorou mais de cinco meses para retomar os mutirões carcerários.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.