MP apura rota de fuga e envio de dinheiro a Abdelmassih

Suspeita é de que ex-médico tenha ficado em casa alugada em 2011 em Jaboticabal, interior de São Paulo, terra natal de sua mulher

RAFAEL ITALIANI e RENE MOREIRA, ESPECIAL PARA O ESTADO

21 Agosto 2014 | 21h25

SÃO PAULO - A possível passagem de Roger Abdelmassih por Jaboticabal (SP) antes de sua fuga para o Paraguai é investigada pelo Ministério Público. A cidade é terra natal de sua mulher, Larissa Maria Sacco, de 37 anos. A suspeita é de que o ex-médico tenha ficado em uma casa alugada em 2011 por familiares de Larissa. A mulher chegou a ser vista no local. O promotor de Justiça Luiz Henrique Cardoso Dal Poz também tenta descobrir se o casal recebeu dinheiro proveniente de Jaboticabal para se manter no exterior.

Caso fique comprovada a participação de parentes e amigos na estrutura financeira que manteve o ex-médico foragido, o MP pode acusá-los dos mesmos crimes financeiros pelos quais Abdelmassih é investigado, como lavagem de dinheiro e evasão de divisas. O órgão também pode pedir o bloqueio dos bens de todos os envolvidos.

Os parentes de Larissa negam que repasses de recursos tenham partido de Jaboticabal, mas evitam falar sobre o assunto. Elaine Sacco Khouri, irmã de Larissa e sócia dela em uma empresa que foi investigada, não tem aparecido na Farmácia Sal da Vida, da qual é proprietária. O estabelecimento foi reinaugurado após altos investimentos, em 2011, ano em que Abdelmassih estava foragido. Funcionárias contaram que Elaine somente voltará a trabalhar na segunda-feira.

Pelo menos cinco pessoas, incluindo parentes de Larissa, são investigadas pelo Ministério Público porque podem ter sido "laranjas" do ex-médico e ainda ajudado na fuga.

Silêncio. Larissa é de família tradicional e seus antepassados deram nomes a ruas e avenidas de Jaboticabal. Seu pai, Vicente João Antônio Sacco, é dono de uma granja e não quis comentar o caso. "Não sei de nada", afirmou ao Estado nesta quinta (21), ao ser questionado se sua filha e o marido estiveram na cidade. Já a mãe dela, a professora aposentada Wanilda Pedro Sacco, alegou que a filha não tem nada a ver com os problemas do marido e que ainda não procurou os familiares. "A gente não sabe onde ela está."

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.