LEONARDO BENASSATTO/FRAMEPHOTO
LEONARDO BENASSATTO/FRAMEPHOTO

MP acusa Doria de obter vantagem indevida com propaganda do Cidade Linda

Em ação civil pública, promotor pede condenação por improbidade administrativa e acusa o prefeito de fazer 'promoção pessoal' com propagandas do programa

Fabio Leite, O Estado de S.Paulo

01 Fevereiro 2018 | 08h39
Atualizado 01 Fevereiro 2018 | 14h41

SÃO PAULO - O Ministério Público Estadual (MPE) entrou nesta quinta-feira, 31, com uma ação civil contra o prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), na qual pede a condenação do tucano por improbidade administrativa pelo uso indevido da logomarca e do slogan do programa Cidade Linda, criado para executar ações de zeladoria na capital. A Prefeitura nega e afirma que nenhuma norma legal está sendo infringida (mais informações abaixo).

Na ação, o promotor Wilson Tafner, do Patrimônio Público e Social, acusa Doria de obter vantagem indevida, de enriquecimento ilícito e de provocar dano ao erário ao gastar pelo menos R$ 3,2 milhões de recursos da Prefeitura para fazer "promoção pessoal" com propagandas do programa Cidade Linda no rádio e na televisão. 

A Promotoria pede ainda à Justiça a concessão de liminar para obrigar Doria a parar de usar imediatamente o símbolo do Cidade Linda - um coração vermelho com as letras 'SP' no meio, associação com o logo da própria Prefeitura - seja na internet, como na página pessoal no Facebook ou no site da Prefeitura, seja em placas, veículos, camisetas, bonés, outdoors e publicações. Pede também a sanção de multa diária de R$ 5 mil em caso de descumprimento da decisão.

Para Tafner, Doria faz “marketing pessoal travestido de divulgação de atos impessoais de gestão" com o Cidade Linda, infringindo artigo da Constituição Federal que diz que a publicidade de programas de órgãos públicos deve ter caráter educativo e informativo e que não pode conter símbolos que caracterizem promoção pessoal de autoridades e também uma lei municipal que diz que os prefeitos não podem usar nenhuma logomarca de identificação de sua administração que não seja o brasão oficial da cidade.

"Ao utilizar-se de verbas públicas para campanha ilícita de promoção pessoal, através da vinculação de sua 'marca' própria em razão de suas ações e obras junto ao governo municipal, obviamente, obteve divulgação de sua imagem política às custas do erário, obtendo vantagem patrimonial indevida", afirma Tafner.

Esta é a primeira ação de improbidade movida pelo MPE contra o prefeito da capital. Em novembro, a Promotoria ingressou com uma ação similar contra o vice-prefeito, Bruno Covas (PSDB), e outros dois secretários de Doria por direcionamento na concorrência envolvendo o patrocínio do carnaval de rua do ano passado.

Por meio de nota, a Prefeitura disse que as campanhas publicitárias do programa Cidade Linda "se apresentam com claro caráter educativo, informativo e de orientação social e jamais veicularam o nome do prefeito João Doria, símbolo ou imagem que guardem relação direta ou promovam a sua figura". E continua: "o fato de o prefeito promover  a marca do programa em suas redes sociais pessoais não infringe nenhuma norma legal".

A Prefeitura afirma ainda que "a referida ação é fruto de representação formulada pelo PT ao ilustre promotor com intuito puramente político e será devidamente respondida assim que o prefeito for formalmente notificado".

Fotos e vídeos

Na ação, o promotor inclui uma série de fotos e vídeos mostrando Doria e uma série de equipamentos da Prefeitura, além do site oficial da administração, promovendo a logomarca do programa. Para Tafner, trata-se de um "culto ao personalismo" com finalidade político-eleitoral. Ele destaca ainda que a propaganda que a Prefeitura fez do Cidade Linda em outdoors no município de Guarulhos, prática que é proibida na capital, e os anúncios do programa pagos pela Ultrafarma, do empresário Sidney Oliveira, amigo de Doria, com valor estimado de R$ 640 mil, durante seis jogos da seleção brasileira nas Eliminatórias da Copa do Mundo, no ano passado.

"O requerido João Doria usa sem nenhum pudor as redes sociais em seu nome para fazer sua promoção pessoal e de sua logomarca, como forma de tentar ‘driblar' a proibição constitucional. Sempre seu rosto com sua logomarca, em inquestionável e ilegal culto ao personalismo", afirma o promotor, que investigou o caso desde outubro de 2017.

Caso a ação seja aceita pela Justiça, Doria pode ser condenado a ressarcir os cofres municipais, à perda da função pública, à suspensão dos direitos políticos de oito a dez anos, ao pagamento de multa de até três vezes o valor do acréscimo patrimonial e pode ser proibido de fazer contratos com o Poder Público ou receber benefícios ou incentivos fiscais pelo prazo de dez anos.

Tafner ressalta na ação que solicitou à gestão Doria os gastos detalhados com toda divulgação do programa Cidade Linda, mas que o secretário municipal de Justiça, Anderson Pomini, apresentou apenas a planilha parcial, com alguns gastos no período de fevereiro a março de 2017. Segundo o site da transparência da Prefeitura, somente em março do ano passado, a gestão Doria gastou R$ 3,2 milhões com inserções publicitárias do Cidade Linda em rádio e televisão. 

O promotor afirma que a lei municipal 18.808/18, que cria o "Selo Cidade Linda" para empresas que colaborarem com a limpeza da cidade é inconstitucional. "Trata-se de se conceder o 'selo' de qualidade Cidade Linda, que nada mais é do que o slogan adotado para promoção pessoal do prefeito, a todas as empresas privadas que executam serviços de zeladoria urbana, atividades típicas de manutenção municipal, geralmente realizadas por concessionárias de serviços públicos e contratadas pela Municipalidade". 

Mais conteúdo sobre:
João Doria

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.