MP abre inquérito para investigar contrato da Virada

Promotoria de Justiça do Patrimônio Público apura indícios de fraude em licitações e contratos avaliados em R$ 1 milhão

FABIANO NUNES , JORNAL DA TARDE, O Estado de S.Paulo

28 de maio de 2012 | 03h03

A Promotoria de Justiça do Patrimônio Público e Social do Ministério Público de São Paulo instaurou inquérito civil para apurar os contratos das empresas que participaram da Virada Cultural em São Paulo. Denúncias indicam fraudes e irregularidades em licitações com empresas que prestam serviços e organizam o evento.

Desde 2005, a Wil Will Produções Artísticas recebeu da Prefeitura de São Paulo mais de R$ 1 milhão em contratos para o evento. A empresa tem endereço falso e é investigada pela Polícia Federal desde 2010, por envolvimento em fraudes de licitação. Ela é uma das mais de 100 empresas que prestam serviço no principal evento cultural da cidade.

De acordo com a representação feita pelo vereador Antônio Donato (PT) ao Ministério Público, o diretor da Virada Cultural, José Mauro Gnaspini, seria responsável em beneficiar uma série de empresas que, supostamente, pertencem ao mesmo grupo de pessoas.

A Comissão de Finanças e Orçamento da Câmara convocou o diretor da Virada Cultural e os representantes das empresas para explicarem os contratos. Mas, por duas semanas consecutivas, os vereadores da base do prefeito Gilberto Kassab (PSD) esvaziaram a reunião ordinária.

A reportagem tentou falar com Gnaspini, porém ele não retornou os pedidos de entrevista. O promotor Saad Mazloum, da Promotoria do Patrimônio Público e Social, instaurou o inquérito na quinta-feira.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.