Secom/Prefeitura
Secom/Prefeitura

MP abre inquérito para investigar Haddad após 'trote' de agenda falsa

Prefeito divulgou agenda pública falsa nesta segunda-feira para induzir comentarista de rádio ao erro e, horas depois, publicou os compromissos verdadeiros

Juliana Diógenes, O Estado de S.Paulo

19 Maio 2016 | 16h45

O Ministério Público do Estado instaurou um inquérito nesta quinta-feira, 19, para investigar o prefeito de São Paulo Fernando Haddad (PT) por eventual improbidade administrativa após divulgação de agenda pública falsa para fazer um "trote" com o comentarista da Rádio Jovem Pan, Marco Antônio Villa. 

Aberto pelo 5º promotor de Justiça Nelson Luís Sampaio Andrade, do Patrimônio Público e Social da capital, o inquérito vai apurar suposta ofensa aos princípios da publicidade, transparência, impessoalidade, moralidade e interesse público. 

Na portaria que oficializa a abertura de investigação, Andrade afirma que a conduta de Haddad, se comprovada, é "incompatível com a dignidade e o decoro do cargo". 

O promotor pede que Haddad seja comunicado por ofício sobre a instauração do inquérito e solicita que o prefeito apresente esclarecimentos no prazo de 10 dias. 

Em nota assinada pelo secretário dos Negócios Jurídicos, Robinson Barreirinhas, a Prefeitura disse ter recebido com "certo espanto" a abertura de inquérito para investigar a divulgação da agenda de Haddad. A gestão informou que, de qualquer forma, prestará as devidas informações "no momento adequado, muito embora os fatos já tenham sido amplamente divulgados e esclarecidos pelas mídias tradicionais e digitais".

"Em um momento em que a Prefeitura celebra importante parcerias com o Ministério Publico no combate à corrupção, levando à prisão servidores corruptos, bloqueando bens, reavendo valores desviados em gestões passadas, havendo tantas acusações relevantes de corrupção e desvios atinentes a atrasos em obras e serviços de outras esferas governamentais ainda sem a devida atenção (recentemente Ação Civil em que se questionava o uso dos recursos das multas de trânsito pelo Estado foi extinta por erro grosseiro da inicial assinada por promotor, não corrigida no prazo fixado pelo juiz!), causa certo espanto a abertura de inquérito para investigar a divulgação da agenda do Prefeito", afirmou Barreirinhas no texto.

Ainda de acordo com a administração municipal, Haddad "está tomando as medidas judiciais para processar Marco Antônio Villa por injúria, calúnia e difamação, inclusive com as provas do atos reiteradamente praticados contra sua honra".​

Entenda o caso. A gestão municipal divulgou a agenda de Haddad por volta das 17 horas do domingo, 15, informando que, a partir das 8h30 de segunda, 16, o prefeito faria “despachos internos”. A agenda com um só compromisso foi propositalmente falsa, conforme declarou o próprio prefeito em sua página oficial no Facebook.

A agenda com um só compromisso foi de propósito, conforme declarou o próprio prefeito Fernando Haddad, na página oficial do Facebook. O título da publicação é Trote num pseudointelectual.

Na postagem, com o título “Trote num pseudointelectual”, Haddad diz que Villa tem comentado as agendas públicas “com o conhecimento de quem nunca administrou um boteco”. “Mas, hoje, para que os ouvintes tenham uma pálida ideia deste embuste, resolvemos substituir, por algumas horas, a minha agenda pela de outro político, apenas para vê-lo comentar, uma vez na vida, o dia a dia de quem ele lambe as botas”, explica o prefeito.

Villa é comentarista de um programa jornalístico na rádio entre 7h30 e 10 horas. Haddad esperou que o jornalista criticasse a agenda para só então divulgar os compromissos verdadeiros do dia. A publicação de Haddad foi feita por volta das 13 horas desta segunda-feira, 16, uma hora após a Prefeitura divulgar a agenda correta. A reportagem apurou que, embora não tenha nominado no post, o político ao qual Haddad se referiu é o governador Geraldo Alckmin (PSDB), que no dia 5 publicou agenda em que também informava somente “despachos internos”. 

Leia a íntegra da portaria abaixo:

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.