Movimento usará Plano Diretor para fazer pressão

É dentro de um estande de incorporadora abandonado que o MTST montou cozinha, banheiros, fraldário, chuveiros, depósito de alimentos e toda base de apoio da ocupação "Copa do Povo". Como fez após as ocupações "Faixa de Gaza" e "Nova Palestina", ambas na zona sul, o MTST quer que o governo declare o terreno da zona leste de interesse social e que seja reservado para a construção de moradias populares do Minha Casa Minha Vida.

O Estado de S.Paulo

06 Maio 2014 | 02h01

Para isso, os líderes da entidade querem forçar os vereadores a incluir uma emenda na segunda votação do Plano Diretor, prevista para ocorrer até o fim deste mês na Câmara. "Desta vez, vamos mobilizar 10 mil pessoas e levar para a frente da Câmara", afirma Guilherme Boulos, coordenador do MTST. /D.Z.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.