Motoristas são impedidos de trabalhar por grevistas

'Mandaram voltar para a base ou iriam queimar meu caminhão', disse caminhoneiro que levava gasolina à polícia

O Estado de S.Paulo

07 Março 2012 | 03h07

Grevistas impediram motoristas de caminhões-tanque de trabalhar na capital paulista na manhã de ontem. Por isso, além das escoltas, a Polícia Militar também reforçou a segurança nos centros de distribuição de combustíveis na cidade e na Grande São Paulo.

O motorista Gilvan Brandão, de 41 anos, por exemplo, conta que um grupo ameaçou queimar seu caminhão quando ele levava combustível para a polícia, na zona norte da capital. Segundo Brandão, a abordagem foi feita por três homens, em meio a um congestionamento na Rodovia Raposo Tavares. "Disseram para mim: 'Você é louco, está furando greve! Vai voltar agora com esse caminhão para a base ou a gente vai colocar fogo nele'." Ele afirma que obedeceu a ordem e voltou para o centro de distribuição, em Barueri, na Região Metropolitana.

No início da tarde de ontem, com a presença de policiais, o clima era de calma no local. Grevistas jogavam baralho enquanto esperavam alguma mudança de postura por parte do sindicato.

Lucro. Há 19 anos no ramo, o caminhoneiro autônomo Antônio Lopes, de 57 anos, aderiu à paralisação. Ele afirma que a restrição diminui o número de viagens diárias. "Com essa proibição, só conseguimos fazer uma viagem por dia." Segundo ele, antes da proibição, eram duas.

As alternativas à Marginal do Tietê para chegar à zona sul, segundo Lopes, dobram a distância percorrida, o que diminui ainda mais o lucro. Os motoristas ganham, em média, R$ 160 por frete. "Estamos abastecendo os postos da cidade, não estamos de passagem só para aumentar o congestionamento." / A.R.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.