Motoristas relatam levar mais tempo em trajetos

O médico João Gabriel Duarte, de 28 anos, chega a trabalhar em até quatro hospitais em um só dia. Nos últimos dois meses, ele passou a gastar bem mais tempo nas viagens.

Artur Rodrigues, O Estado de S.Paulo

06 Setembro 2013 | 02h03

"Um trajeto que eu percorria em 15 minutos agora chego a fazer em 40 minutos", afirma ele, que diz não poder trocar o carro pelo transporte público. "Parece que agora não tem mais hora para congestionamento", reclama.

O engenheiro Glauber Pastore, de 43 anos, também afirma trafegar com maior dificuldade desde a implementação das faixas. "Senti que, depois das faixas, o miolo, as ruas de dentro pioraram", diz. Ele utiliza a Avenida Engenheiro Caetano Álvares para sair da região da Serra da Cantareira e chegar até a Marginal. "Levo agora uns 20 minutos a mais."

O comerciante Luiz Carlos Rezende, de 45 anos, também diz ter sentido a diferença. Ele afirma que trafega por toda a cidade e que a situação ficou mais complicada de forma geral. "Para quem pega ônibus, deve ter melhorado. Mas para o motorista piorou muito."

Apesar da piora, a maioria dos motoristas ouvidos pela reportagem declarou apoio à segregação das faixas de ônibus. Eles questionam, porém, a má qualidade do transporte público, considerado pouco atrativo para que abandonem o carro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.