Motoristas evitam nova pista da Marginal

A ''faixa do meio'' da Tietê fica vazia mesmo quando há congestionamento na expressa e na local; medo de errar e sinalização ruim são as justificativas

Luísa Alcalde e Tiago Dantas, O Estado de S.Paulo

13 de dezembro de 2010 | 00h00

As novas pistas da Marginal do Tietê, inauguradas no fim de março, estão subutilizadas. Motoristas preferem andar pelas antigas faixas da pista local, sobrecarregando-as, a se aventurar na recém-construída pista central (ou auxiliar), com medo de errar saídas ou perder retornos por conta da má sinalização e da falta de orientação ao longo da via.

No dia 26 de novembro, uma sexta-feira, a reportagem observou e fotografou o movimento de veículos nos dois sentidos da Marginal, às 8h e às 17h, de cima das Pontes da Casa Verde, Freguesia do Ó e Vila Guilherme. Ficou explícito que a "Marginal do meio" passa parte do dia praticamente vazia, enquanto as pistas expressa e local acumulavam mais carros, causando até congestionamentos.

Para a promotora de Justiça Maria Amélia Nardy Pereira, da Promotoria de Habitação e Urbanismo do Ministério Público Estadual (MPE), os problemas na Marginal do Tietê são resultado "da forma apressada como a obra, que custou até agora R$ 1,8 bilhão, foi feita, a toque de caixa, mal planejada e com caráter eleitoreiro", diz. "Quem se aventurar nas novas pistas vai descobrir que elas continuam sem a sinalização adequada."

A combinação de acessos às três pistas pode confundir os motoristas. Uma pessoa que chega a São Paulo pela Rodovia Castelo Branco e pretende seguir pela Ponte do Limão, por exemplo, só poderá usar a pista expressa até passar embaixo da Ponte da Freguesia do Ó, a cerca de 3,5 quilômetros do destino.

O motorista profissional Carlos Alberto Bertolini, que trafega pela Marginal todos os dias, só anda pela pista local. "Uma vez, entrei na central e vi que só teria saída depois da Ponte das Bandeiras, no sentido Ayrton Senna", comentou. Quem também não se aventura pelas pistas novas é o comerciante Roberto Nicoletti, que faz entregas no entorno da Marginal. "Preciso sair para os bairros com facilidade. Nem entro para não errar."

Procurada, a Desenvolvimento Rodoviário S.A. (Dersa), responsável pela contratação da obra de ampliação da Marginal, não se manifestou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.