Laura Maia de Castro/Estadão
Laura Maia de Castro/Estadão

Motoristas e cobradores vestem nariz de palhaço no Terminal Lapa

Parada de ônibus está fechada na manhã desta quarta-feira, 21; profissionais estão insatisfeitos com o acordo de reajuste salarial

Laura Maia de Castro, O Estado de S. Paulo

21 Maio 2014 | 09h48

SÃO PAULO - Motoristas e cobradores de ônibus que aderiram a paralisação na manhã desta quarta-feira, 21, vestiram nariz de palhaço no Terminal Lapa, na zona oeste de São Paulo, que está fechado. Alguns, como Gilberto Cardoso, de 45 anos, estão no local desde as 4h da manhã desta terça-feira, 20. "Nenhum representante veio falar conosco. O nosso aumento, sem contar a inflação, é de apenas 2,4%", disse Cardoso, que há 15 anos trabalha como motorista.

"Há muito tempo é essa palhaçada. Eles prometem um aumento, nós esperamos, mas ele não vem. Sentimos muito pela população, mas a greve é necessária", disse outro motorista, que preferiu não se identificar.

A vendedora Gisele Amorim, de 26 anos, não sabe se conseguirá chegar à loja onde trabalha em Moema, na zona sul."Já liguei para a patroa. Vou esperar um pouco e ver como vai ser, senão vou para casa. É uma pena porque sou a única vendedora da loja", lamentou.

Além dos passageiros, comerciantes dentro do terminal também sofrem com a greve. A dona de um dos quiosques de lanche estima um prejuízo de até R$ 4 mil por causa desta greve. "Não tem passageiros, não tem venda. Quebraram nossas pernas. É uma situação complicada porque eles têm o direito a greve, mas também estamos sendo prejudicados", disse Rosana Reis, de 33 anos. Segundo ela, o aluguel do ponto de venda é de R$ 6 mil por mês.

Já a auxiliar administrativa Bruna Nascimento, de 19 anos, disse que está desde as 7h no terminal e que deve voltar para a casa. "Vou voltar porque não tem jeito de ir. A empresa está ainda vendo se manda um carro para nos buscar, mas não sei e tenho medo da volta." Segundo ela, os dois ônibus que passam próximos ao trabalho saem do Terminal Lapa.

Um fiscal que não quis se identificar está no Terminal Lapa para "zelar pelo patrimônio da empresa" Santa Brígida. Ele está com as chaves dos ônibus que não estão acompanhados pelos motoristas e cobradores. "Muitos não aguentaram mais porque estavam aqui desde a madrugada de ontem e foram embora sem rendição. Infelizmente, por não terem ficado com o patrimônio da empresa, devem ser penalizados."

O fiscal disse que apoia a luta dos motoristas e cobradores e lamenta que o sindicato dos fiscais não faça parte do movimento. "A paralisação é justa e chegou a vez de São Paulo", declarou.

Mais conteúdo sobre:
Greve de onibus São Paulo Terminal Lapa

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.