Werther Santana/Estadão
Werther Santana/Estadão

Motoristas de ônibus aceitam proposta e descartam greve

Funcionários terão reajuste de 9% e aumento nos benefícios; proposta aceita foi a terceira feita pelo sindicato das empresas

O Estado de S. Paulo

19 de maio de 2015 | 17h41

SÃO PAULO - Motoristas e cobradores de ônibus de São Paulo aceitaram nesta terça-feira, 19, as propostas de reajuste salarial da classe patronal e suspenderam o estado de greve.

Essa foi a terceira proposta do sindicato das empresas de ônibus. Os funcionários terão reajuste de 9%, aumento da Participação nos Lucros e Resultados (PLR) de R$ 600 para R$ 1 mil e do vale-refeição, que passará dos R$ 17,69 para R$ 19. Eles também passarão a contar convênio odontológico, segundo o SPUrbanuss, o sindicato patronal.

Um grupo de estudos será criado pelas empresas para debater a qualificação e diferenciação na carreira dos motoristas, que ganham o mesmo salário não importa qual tipo de veículo eles dirigem (micro-ônibus, trólebus, ônibus articulados etc).

Negociação. Na última assembleia do Sindmotoristas, no dia 14, o sindicato pedia reposição de 8% da inflação mais 7,5% de aumento real nos salários, além de vale-refeição de R$ 22 e PLR de R$ 2 mil. "Sabemos que não seremos atendidos em 100% do que estamos pedindo, mas queremos que os patrões melhorem a proposta", afirmou na ocasião o presidente do Sindicato dos Motoristas e Cobradores do Transporte Rodoviário Urbano de São Paulo, Valdevan Noventa.

Na terça-feira da semana passada, os trabalhadores realizaram uma paralisação de duas horas, afetando cerca de 675 mil passageiros, na estimativa da Prefeitura.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.