Motorista que matou 2 garis obtém liberdade

Gerente de banco pagou R$ 50 mil de fiança; ele estava embriagado e foi preso em flagrante por homicídio doloso

WILLIAM CARDOSO, O Estado de S.Paulo

25 Outubro 2011 | 03h03

O gerente de banco Fernando Mirabelli, de 32 anos, pagou fiança de R$ 50 mil e aguardava o alvará de soltura para ser colocado em liberdade, no início da noite de ontem. Ele foi detido em flagrante no sábado por homicídio doloso depois de atropelar três garis e matar dois no acesso à Ponte Ari Torres da Marginal do Pinheiros, na Cidade Jardim, zona sul de São Paulo.

A decisão de estipular fiança para que Mirabelli responda ao processo em liberdade foi tomada pela juíza plantonista Cristina Escher, do Departamento de Inquéritos Policiais (Dipo). Ela não se manifestou publicamente sobre a decisão. O bancário estava preso no Centro de Detenção Provisória (CDP) do Belém, na zona leste.

Segundo o advogado de Mirabelli, Alexandre de Thomazo, a decisão judicial foi baseada no fato de que seu cliente é réu primário, tem bons antecedentes, residência fixa e emprego. "Os critérios usados pela juíza foram embasados na própria legislação. Ela poderia estipular fiança em valor entre 1o e 200 salários mínimos, e foi o que fez."

A delegada Luciana do Nascimento Zanella entendeu que Mirabelli assumiu o risco de matar porque estava embriagado e em alta velocidade no momento do acidente. Segundo testemunhas, ele estaria a pelo menos 120 km/h quando perdeu o controle de sua Toyota Hilux, atropelando Aldenir Abrantes Dantas, de 21 anos, Alex Damasceno de Souza, de 26, e Roberto Pires de Jesus, de 36. Os dois últimos foram arrastados por cerca de 20 metros e morreram no local. O terceiro ainda se recuperava ontem de uma cirurgia no quadril.

Irmão de Alex, o segurança Ariomar Damasceno, de 34 anos, disse ontem que estipular uma fiança e deixar que Mirabelli responda em liberdade é um incentivo para que outros motoristas cometam o mesmo crime. Ele pretende reunir outros parentes de vítimas do trânsito e fazer um protesto durante a missa de sétimo dia do irmão, no sábado, na Igreja Matriz da Freguesia do Ó.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.