Motorista que bateu na Raposo pode responder por 4 crimes

Homem causou a morte de duas pessoas ao invadir contramão da pista por 12 km na madrugada desta segunda

Maíra Teixeira e Ricardo Valota, da Central de Notícias,

08 Março 2010 | 23h21

Valdecir José Sullmann colidiu com Gol ao trafegar por mais de 12 km na contramão. Foto: JB Neto/AE

 

SÃO PAULO- O motorista acusado de matar duas pessoas após transitar por mais de 12 quilômetros na contramão da Rodovia Raposo Tavares, na madrugada dessa segunda-feira, 8, e provocar a colisão frontal de seu veículo com um outro que vinha no sentido correto pode responder por quatro crimes.

 

São eles: homicídio, lesão corporal, fuga de local do acidente e por causar perigo à vida e segurança de outras pessoas. A informação é da Secretaria de Segurança Pública (SSP).

 

Valdecir José Sullmann, de 31 anos, dirigia seu veículo Renault, quando entrou na rodovia no km 35, também em Cotia, e trafegou por mais de 12 quilômetros na contramão, atingindo um veículo Gol, que pegou fogo após a batida.

 

A motorista Euclydineia Pinto de Assumpção, de 42 anos e seu marido, João Luiz Montanheiro, de 48 anos, morreram na hora. A filha do casal, de 12 anos, foi socorrida em estado grave.

 

Segundo a SSP, em seu depoimento à polícia Sullmann estava perturbado e declarou que não lembrava de nada. Foram requisitados ao Instituto de Criminalística exames químico toxicológico para detectar dosagem alcoólica e presença de outras drogas no motorista.

 

Nesta noite, um outro acidente interditou parcialmente a pista da Rodovia Raposo Tavares no km 14, sentido interior, na região do Jardim Bonfiglioli, zona oeste da capital.

 

De acordo com o Departamento de Estradas e Rodagem (DER), a colisão foi entre um Ranger e um EcoSport, e interdita uma pista e o acostamento da rodovia. Há lentidão do km 13 ao 11, sentido interior.

 

Segundo o Corpo de Bombeiros, há três equipes da corporação trabalhando no resgate desde às 22h15. Duas vítimas foram socorridas e enviadas ao Hospital Universitário da Universidade de São Paulo, na Cidade Universitária.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.