Motorista lava Porsche do patrão em casa e é morto

O motorista particular Pedro Batista Eiras da Cruz, de 40 anos, foi assassinado na porta de casa com um tiro na cabeça, na frente dos filhos de 11 e 12 anos, na Vila Jacuí, zona leste de São Paulo, quando lavava o Porsche Cayenne do patrão, na tarde de anteontem.

GIO MENDES, O Estado de S.Paulo

22 de maio de 2012 | 03h02

O tiro foi disparado por um dos dois assaltantes que tentaram roubar o veículo importado, que era blindado - o chefe da vítima é um empresário do ramo de blindagem. O ladrão atirou em Eiras porque não conseguia dar partida no Porsche.

O crime aconteceu na Rua Américo Sugai, por volta das 17h. De acordo com testemunhas, os criminosos desceram de um Chevette preto e anunciaram o assalto. "Eles exigiram as chaves e a vítima entregou. Um bandido ficou irritado por não conseguir ligar o carro importado e resolveu atirar no motorista", afirmou o delegado Marcel Druziani, titular do 63.º Distrito Policial (Vila Jacuí), responsável pela investigação do caso.

Além dos filhos da vítima, outros moradores da rua também testemunharam o assassinato.

Os criminosos fugiram no Chevette, mas as testemunhas anotaram apenas os números da placa do veículo. "As letras não foram anotadas, mas já estamos fazendo um levantamento para tentar localizar o veículo", afirmou Druziani.

Retrato falado. Segundo ele, dois parentes do motorista particular prestaram depoimento ontem. Um dos vizinhos deverá depor hoje. A Polícia Civil pretende preparar os retratos falados dos assassinos com base na descrição feita pelas testemunhas.

Apesar de nada ter sido roubado, o caso foi registrado como latrocínio (roubo seguido de morte). "Foi o primeiro que aconteceu neste ano na nossa área", disse o delegado. Depois de ser baleado, Eiras chegou a ser levado para o Hospital Municipal Professor Doutor Alípio Correia Netto.

De acordo com o delegado, Eiras era um funcionário de confiança e tinha autorização para levar o veículo para casa. "A empresa tem vários carros importados que são usados pelo motorista particular para buscar clientes em aeroportos e outros lugares. E os clientes são levados até a empresa para a realização de negócios", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.